Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Motorista de Uber acusado de estuprar adolescente é preso no Rio

Mãe desconfiou de duração do trajeto; jovem foi levado a lugar ermo e ameaçado com um revólver

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

14 Junho 2018 | 21h06

Um motorista de Uber de 43 anos foi preso nesta quarta-feira, 13, acusado de estuprar um adolescente de 15 anos durante uma corrida em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, em 7 de junho.

Segundo a Polícia Civil, a mãe do adolescente acionou o serviço para buscar o adolescente em um bairro de São Gonçalo e levá-lo para casa, em outro bairro. O trajeto demoraria cerca de dez minutos, mas acabou se estendo por mais de meia hora porque o motorista desviou-se do caminho, parou em um local ermo e, armado com um revólver, estuprou o passageiro.

++ Justiça suspende reajuste da passagem de ônibus no Rio

O motorista ainda terminou a corrida e fez ameaças ao adolescente, que só contou o ocorrido à mãe depois que ela insistiu em questionar o motivo da demora na corrida.

Mãe e filho foram à 72ª DP (São Gonçalo), onde registraram o caso. O motorista foi identificado a partir de uma consulta à própria Uber e preso em um posto de combustíveis perto da casa dele. Atendendo pedido da polícia, a Justiça determinou a prisão temporária do motorista, que pode ser condenado a pena de 8 a 12 anos de prisão.

Em nota, a Uber afirmou que “nenhum comportamento dessa natureza é tolerado e o motorista foi banido da plataforma assim que a denúncia foi feita. A Uber repudia qualquer tipo de assédio ou violência”. 

++ Chefe do gabinete da intervenção do Rio deixa o cargo

A empresa afirmou ainda que está à disposição para colaborar com as investigações e que “todos os motoristas cadastrados passam por uma verificação de segurança realizada por empresa especializada que, a partir dos documentos fornecidos para cadastramento na plataforma, consulta informações de diversos bancos de dados oficiais e públicos de todo o País em busca de registros de crimes ou infrações que possam ter sido cometidas”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.