Polícia Civil/AFP
Polícia Civil/AFP

MP e polícia fazem operação contra milícia da zona oeste do Rio

Objetivo é cumprir 45 mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão; ao menos 30 pessoas foram detidas

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2020 | 11h18

RIO - O Ministério Público do Rio de Janeiro e a Polícia Civil realizam operação na manhã desta quinta-feira, 30, com o objetivo de cumprir 45 mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão contra acusados de integrar uma milícia que atua no Rio das Pedras, na Muzema e região, na zona oeste da capital. Até as 10h15, 31 pessoas haviam sido presas.

A operação, batizada de Os Intocáveis II, é um desdobramento da Operação Os Intocáveis, realizada em janeiro do ano passado, quando 13 pessoas foram denunciadas por organização criminosa. O material apreendido na ocasião ajudou os investigadores a chegarem a novos acusados.

Entre as provas recolhidas estão conversas telefônicas entre os suspeitos e o policial reformado Ronnie Lessa, que está preso em penitenciária federal acusado de participação no assassinato da vereadora Marielle Franco, em março de 2018.

Na ação desta quinta, o MP afirma que, sob a liderança de Dalmir Pereira Barbosa, Paulo Eduardo da Silva Azevedo e Epaminondas Queiroz de Medeiros Júnior (conhecido como Capitão Queiroz), o grupo praticava grilagem, construção, venda e locação ilegais de imóveis, posse e porte ilegal de arma de fogo, extorsão de moradores e comerciantes com a cobrança de taxas referentes a "serviços" prestados, ocultação de bens adquiridos com as atividades ilícitas por meio de laranjas, pagamento de propina a agentes públicos, agiotagem, utilização de ligações clandestinas de água e energia nos empreendimentos imobiliários ilegalmente construídos, dentre outros.

Ainda segundo o MP, o grupo contava com a ajuda de agentes públicos, ativos e inativos, em especial das polícias militar e civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.