MP e Polícia Federal fazem operação no Rio contra quadrilha

Objetivo é cumprir 26 mandados de prisão; grupo é denunciado por tráfico, lavagem de dinheiro, comércio de armas e crimes eleitorais

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

27 Janeiro 2015 | 11h40

RIO - O Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio, e a Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Patrimônio (Delepat), da Polícia Federal, estão nas ruas para cumprir 26 mandados de prisão preventiva contra denunciados por tráfico de drogas, organização criminosa, receptação, lavagem de dinheiro e comércio ilegal de armas de fogo, entre outros crimes.

A quadrilha, segundo o MP, é liderada por Carlos Eduardo Rocha Freire Barboza, conhecido como Cadu Playboy, e atua na Região dos Lagos. Playboy é acusado de negociar armas e munições e de, junto com o pai, Francisco Eduardo Freire Barbosa, lavar dinheiro do tráfico e da venda de armamento. O pai, também denunciado pelo MP, é presidente da Empresa Cabista de Desenvolvimento Urbano e Turismo (Ecatur), em Cabo Frio. 

A quadrilha, informou o MP, também praticou crimes eleitorais no primeiro turno das eleições de 2014. Acredita-se que o grupo movimente cerca de R$ 1,8 milhão por mês.

Mais conteúdo sobre:
Violência Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.