Polícia Civil/AFP
Polícia Civil/AFP

MP vai monitorar ativistas dos Direitos Humanos no Rio

Pessoas que serão monitoradas foram pesquisadas pelo PM preso acusado de matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2019 | 15h00

RIO DE JANEIRO - O Ministério Público do Rio vai monitorar o risco de todos os parlamentares e ativistas de direitos humanos cujos nomes apareceram no relatório final do inquérito policial sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco. O relatório detalha as pesquisas feitas online pelo PM reformado Ronnie Lessa, acusado de executar Marielle e o motorista Anderson Gomes em 14 de março do ano passado.  

Os deputados estaduais do PSOL Flávio Serafini e Renata Souza estiveram na manhã desta sexta-feira, 22, reunidos como procurador-geral, José Eduardo Gussen, a quem solicitaram a avaliação de risco para todos os nomes pesquisados.  Matéria do Estado publicada na última quinta-feira revelou que Lessa fez pesquisas sobre Marcelo Freixo e Flávio Serafini. Pesquisou também nomes de pesquisadores e ativistas de direitos humanos da Anistia Internacional, das Redes da Maré e da ONU Mulheres, sobretudo na área de segurança pública.

"Esse assassinato ainda não foi completamente desvendado, precisamos saber quem foi o mandante e qual a motivação. Essas pesquisas sobre defensores de direitos humanos retratam que o caso é de um ataque à democracia. O Estado tem que analisar os riscos e se responsabilizar por todos que foram citados.", afirmou Serafini.

Segundo o parlamentar, Gussen informou que os nomes serão monitorados e, em caso de haver risco, informará para que medidas de segurança como escolta sejam tomadas.

Tudo o que sabemos sobre:
Ronnie LessaMarielle Franco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.