Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

MPRJ nomeia coordenador do Gaeco como procurador temporário do caso Marielle

Bruno Gangoni vai atuar em substituição às promotoras de Justiça Simone Sibílio e Letícia Emile, que optaram por não continuar na investigação

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2021 | 12h14

RIO - O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) nomeou o promotor de Justiça Bruno Gangoni para atuar temporariamente no acompanhamento dos processos judiciais e procedimentos extrajudiciais criminais na força-tarefa que investiga o caso Marielle Franco e Anderson Gomes.

A nomeação foi informada pelo MPRJ neste sábado e será publicada no Diário Oficial na próxima segunda-feira, 19. A vereadora do PSOL e o motorista Anderson Gomes foram assassinados em março de 2018. A investigação até hoje não apontou os responsáveis pelo crime. 

Gangoni, que também coordena o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco/MPRJ), foi designado para o recebimento de eventuais intimações e cumprimento dos prazos processuais até que sejam anunciados os novos nomes para atuar na força-tarefa. 

Ele foi nomeado em substituição às promotoras de Justiça que optaram por não continuar no caso. Há uma semana, as promotoras de Justiça Simone Sibílio e Letícia Emile decidiram se afastar da força-tarefa que investiga os assassinatos de Marielle e Gomes.

Segundo o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, a decisão foi voluntária e o motivo não foi informado. As promotoras assumiram o caso em setembro de 2018, seis meses após o assassinato.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Marielle FrancoBruno Gangoni

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.