Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

MTE determina interdição de obras de bondinho no Rio

Auditores fiscais detectaram riscos à segurança dos trabalhadores em obras dos trilhos do bondinho de Santa Teresa 

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

11 de junho de 2015 | 17h44

Atualizada às 20h12

RIO - O Ministério do Trabalho (MTE) determinou nesta quinta-feira, 11, a interdição das obras dos trilhos do bondinho de Santa Teresa, na zona central do Rio. Auditores fiscais da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do Rio detectaram que a falta de tapumes e a não interrupção do tráfego de carros nas vias do bairro ofereciam risco à segurança dos trabalhadores da obra. A interdição é uma medida administrativa do Ministério do Trabalho adotada quando o órgão encontra irregularidades. A obra é operada pelo consórcio Elmo-Azvi.

A fiscalização ouviu de moradores que veículos costumam cair nos buracos abertos pela construção. Eles detectaram que havia perigo de atropelamento aos funcionários da obra, que está atrasada desde junho de 2014 e já dura mais de um ano e meio. 

A Secretaria Estadual de Transportes do Rio, por meio de nota, afirmou que "está acompanhando a implantação dos ajustes para que o consórcio construtor, Elmo Azvi, cumpra as exigências do Ministério Público do Trabalho e possa retomar as obras no bairro de Santa Teresa"

O próprio secretário estadual de Transportes, Carlos Osório, admitiu no início de maio que só que 25% das obras foram concluídas. Ele diz que o governo do Estado está em "litígio" com o consórcio Elmo-Azvi, responsável pela obra. Admite que o contrato pode ser rescindido, o que obrigaria o governo a colocar a obra nas mãos de outra empresa.

"Tem valas de meio metro de profundidade e três a quatro metros de largura que as pessoas têm de pular meio metro para baixo, caminhar na terra e subir de novo para chegar na casa delas. Isso naturalmente enche quando chove, os carros caem lá dentro", relatou ao Estado no mês passado o presidente da Associação de Moradores de Santa Teresa, Jacques Schwarzstein. Apesar de moradores afirmarem que as obras estavam paradas, a fiscalização do MTE encontrou alguns funcionários trabalhando nas vias nesta quinta-feira.

Ocorrido em 27 de agosto de 2011, o acidente com um dos bondes do bairro matou seis pessoas e deixou 56 feridas. Desde então, os veículos pararam de circular sobre os trilhos de Santa Teresa. 

Tudo o que sabemos sobre:
Rio de JaneiroSanta Tereza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.