Reprodução/Google Street View
Reprodução/Google Street View

Mulher baleada dentro de hospital no RJ tem quadro de saúde estável

Paciente de 61 anos foi atingida por bala perdida no rosto; médicos avaliarão se ela corre risco de perder a visão de um dos olhos

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2018 | 12h56

RIO - A mulher de 61 anos atingida por um tiro no rosto em um hospital de Niterói, na região metropolitana do Rio, tem quadro de saúde estável. Ela se recupera de uma cirurgia neste domingo, 12, e está no Centro de Tratamento Intensivo (CTI).

Médicos ainda avaliarão se a visão de um dos olhos da vítima ficou comprometida. A bala perdida atingiu o rosto da mulher, debaixo de um dos olhos. O incidente ocorreu na madrugada de sábado, 11. O hospital fica localizado entre dois morros.

Quando foi baleada, a paciente estava em uma maca do Hospital Santa Martha, no bairro Santa Rosa, zona norte de Niterói. O filho da vítima disse, em entrevista para a TV Globo, que chegou a ouvir barulho de festa e fogos durante a madrugada e, também, o estouro da bala. A idosa estava internada no local há 18 dias para uma cirurgia de vesícula.

A assessoria da Polícia Militar informou que a corporação e bandidos teriam trocado tiros na comunidade Morro Souza Soares, que fica próxima ao hospital. Segundo nota da PM, policiais do 12º Batalhão de Polícia Militar (Niterói) “coibiram um baile funk organizado por traficantes no morro”. Ainda de acordo com a corporação, ao chegarem à comunidade, às 2 horas, as equipes foram atacadas.

“Após breve confronto, (os criminosos) fugiram deixando para trás 40 pinos cocaína, 36 trouxinhas de maconha e 38 vidros de lança perfume. A operação foi encerrada uma hora após iniciada e o material apreendido foi conduzido para a 77ª Delegacia de Polícia (Icaraí), onde a ocorrência foi registrada”, afirmou.

A janela do terceiro andar do hospital onde a mulher estava internada fica de frente para o morro. Segundo a PM, “só a investigação da Polícia Civil poderá esclarecer as circunstâncias do fato”. Já a Polícia Civil respondeu que “diligências estão em andamento para elucidar o fato”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.