Gogole Street View/Reprodução
Gogole Street View/Reprodução

Mulher é morta a facadas horas depois de denunciar ex-companheiro

Débora Chaves chamou a polícia após ter sofrido ameaças; Nilton da Silva prestou depoimento, mas foi liberado porque, diz a polícia, não havia flagrante

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2016 | 15h07

RIO - Débora Bittencourt Chaves, de 32 anos, foi morta nesta quinta-feira, 1º, a facadas na Ilha do Governador, na zona norte do Rio de Janeiro, horas depois de ter denunciado à polícia o ex-companheiro por ameaças. Nilton da Silva, de 27 anos, é o principal suspeito do crime. Ele chegou a prestar depoimento horas antes do crime, mas foi liberado.

Silva é ex-presidiário, usa tornozeleira eletrônica, mas não foi encontrado porque o equipamento estaria com defeito.

Débora já tinha uma medida protetiva expedida contra Silva. Na tarde de quinta-feira, ela chamou a polícia por ter sofrido ameaças. De acordo com a polícia, ele não ficou preso porque não havia flagrante. 

À noite, ela estava no apartamento em que morava, na Rua Sargento João Lopes, em Jardim Carioca, na Ilha do Governador, quando foi atacada. Golpeada três vezes, não resistiu aos ferimentos. Depois do crime, a filha de 10 anos de Débora foi levado por Silva para a casa de parentes. 

O caso está sob investigação da Divisão de Homicídios. A Polícia Civil informou que a Corregedoria abriu procedimento para investigar se houve alguma infração disciplinar na liberação de Silva, após prestar depoimento na 37ª Delegacia de Polícia (Ilha do Governador). De acordo com o delegado de plantão, não havia flagrante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.