Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Mulheres e crianças de PMs usam piscina inflável para se refrescar

Manifestantes aproveitaram o forte calor do Rio no domingo e deixaram o ambiente 'mais leve' em frente ao 9º Batalhão, em Rocha Miranda, na zona norte

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2017 | 14h32

RIO - O calor do último domingo, 12, atraiu muitos cariocas à praia e às áreas de lazer da cidade. Para as mulheres de policiais militares que participam desde a última sexta-feira, 10, das manifestações nas portas de batalhões, o dia foi de sacrifício - mas, no de Rocha Miranda, na zona norte do Rio de Janeiro, nem tanto. O grupo se cotizou e comprou uma piscina inflável de 3 mil litros e a encheu de água com a ajuda de  um vizinho do quartel, que, solidário à luta das mulheres pela regularização dos pagamentos dos maridos, emprestou uma mangueira.

Crianças que acompanhavam suas mães no protesto aproveitaram para brincar na água. Na segunda-feira, 13, a piscina continuava lá, e, com a meninada na escola, as mães é que se refrescaram.

"Trouxe minha filha, e ela não queria sair da água. A vizinhança nos ajuda porque sabe que não estamos atrapalhando o policiamento. Existem 17 comunidades na região e isso seria muito perigoso. Nós estamos nos sacrificando muito, mas é necessário. A piscina tornou o ambiente mais leve", disse a dona de casa Cristiane Mota, de 31 anos, casada com um soldado com quem tem um menino de 10 anos e um bebê de um ano. "Meu marido corre risco de vida todo dia e não recebeu por ter trabalhado obrigado durante a Olimpíada nas horas de folga. Não quero uma bandeira do Brasil no lugar dele", disse, referindo-se à praxe de cobrir caixões de policiais mortos em serviço com o símbolo nacional.

Cristiane vem sentindo dentro de casa os efeitos dos atrasos nos pagamentos de salários pelo governo. As contas estão atrasadas - a escola do filho maior o aceitou neste ano mesmo sem a mensalidade em dia. 

As doações vão de água, refrigerante e biscoitos a rodadas de cachorro quente e pizza. Um restaurante fornece quentinhas. Dois banheiros químicos foram emprestados. A água da piscina foi usada nesta segunda-feira para limpar os sanitários, contou a cabeleireira Charlô Ferss (nome artístico), de 44 anos, que namora um policial.

A viralização de uma foto em que mulheres se divertem dentro da água a preocupa. Charlô teme que a imagem macule a seriedade das reivindicações das mulheres, mães e viúvas de policiais que exigem o pagamento de 13º salário e adicionais por horas extras. 

"Não podemos ficar 24 horas como soldados. O calor está insuportável. As crianças precisavam se distrair. Mandamos a foto para os nossos familiares verem que estávamos bem. Mas ela se espalhou de forma negativa", disse Charlô. "Precisamos do apoio da população e também precisamos espairecer."

A piscina foi inflada no início da tarde de domingo e esvaziada na manhã desta terça-feira, 14. As manifestantes rechaçam que o  movimento seja acusado pela falta de policiamento no Estádio do Engenhão, na zona norte, no último domingo, quando jogaram Botafogo e Flamengo, pelo Campeonato Carioca. Com menos PMs, torcedores dos clubes se enfrentaram, e um botafoguense morreu. 

"É injusto colocarem isso nas nossas costas. O único culpado é o governo do Rio. O nosso movimento é muito diferente daquele do Espírito Santo. Nossos policiais só querem o direito que já tinham", justificou Charlô. "Quero ver o (governador Luiz Fernando) Pezão na cadeia junto com o (ex-governador Sérgio) Cabral (ambos do PMDB)", afirmou. 

O grupo de mulheres se reveza e monta escala de plantão via WhatsApp. Elas ocupam os batalhões mais próximos de suas residências. Nesta segunda-feira, na porta do 9º. Batalhão, havia cinco manifestantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.