Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Museu Nacional requisita peças cedidas e aguarda ajuda internacional

Vice-diretora do museu relata que instituições do Brasil e de outras partes do mundo estão oferecendo peças para recompor o acervo da instituição

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

04 Setembro 2018 | 14h40

RIO - A vice-diretora do Museu Nacional/UFRJ, Cristiana Serejo, afirmou que museus e instituições científicas do Brasil e de outras partes do mundo estão oferecendo peças para recompor o acervo da instituição, que se perdeu quase que completamente no incêndio do último domingo, 2, no Rio. Peças do próprio Museu Nacional que estavam cedidas a outras instituições também estão sendo requisitadas. Segundo Cristina, a ajuda internacional seria o ponto de partida para a recuperação do museu. O governo da França já se colocou à disposição para ajudar. 

Um dia e meio depois do incêndio, algumas atividades de pesquisa já foram retomadas no Horto Florestal, dentro da própria Quinta da Boa Vista, onde estavam algumas coleções que foram poupadas, como a de vertebrados, invertebrados, botânica, além de uma biblioteca de 500 mil exemplares, que reúne alguns exemplares raros. O acervo do museu reunia mais de 20 milhões de itens.

“Fizemos uma reunião com os funcionários hoje cedo e já estamos nos reorganizando nessa parte do Horto, que comporta mais gente e algumas coleções”, explicou Cristiana. “As pós-graduações estão sendo realocadas lá, o museu está se reorganizando para recuperar a pesquisa.”

Cristina contou que um fóssil de baleia que já pertencia ao museu deve ser devolvido. Acervos de insetos, por exemplo, foram oferecidos como doação, bem como de peças indígenas. “Vamos manter a pesquisa, o ensino e a extensão”, disse a diretora. “Estamos vivos aqui no museu.”

Algumas poucas peças foram recuperadas dos escombros, como um quadro do Marechal Rondon, alguns meteoritos, dois vasos de cerâmica e fragmentos de fósseis humanos.

Os fragmentos de um crânio achados no Departamento de Paleontologia deram esperanças aos pesquisadores de que poderia se tratar de Luzia, o fóssil mais antigo já achado nas Américas, de cerca de 12 mil anos. O fóssil é precioso porque foi responsável por  mudanças significativas nas teorias de ocupação humana do continente. Entretanto, alertou Cristiana, o departamento de paleontologia tinha centenas de fósseis humanos. “A gente não sabe dizer se é o crânio de Luzia, temos que avaliar”, explicou. “Os escombros são muito grandes, especialistas têm que analisar para darmos uma informação correta. Mas, claro, sempre temos esperança.”

A vice-diretora explicou ainda que uma empresa especializada deve ser contratada para ajudar no trabalho de arqueologia que deverá ser feito para a busca de peças em meio aos escombros do incêndio. “É um trabalho de arqueologia, não é algo que possa ser feito com uma escavadeira”, lembrou.

Desde o início da manhã, militares fazem a segurança na Quinta da Boa Vista e fizeram um cerco nos arredores do Museu Nacional para impedir eventuais saques aos escombros do incêndio. Técnicos da Polícia Federal também estiveram vistoriando os escombros em busca de dados que possam determinar as causas do incêndio.

 

Mais conteúdo sobre:
arqueologia museu incêndio Museu Nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.