Na madrugada, situação foi de calmaria no Morro do Alemão

Neste domingo, os militares e policiais aguardam ordens para ocupar o complexo de favelas

Rodrigo Burgarelli, de O Estado de S. Paulo, no Rio e Cido Coelho, do estadão.com.br

28 Novembro 2010 | 06h25

RIO DE JANEIRO - Nesta madrugada, 28, a situação diante do Complexo do Alemão, no Rio de Janeiro, foi de calmaria. Não houve conflitos e nem trocas de tiros, porém não houve rendição por parte dos criminosos.

A força de 2.500 homens das polícias Civil, Militar, Federal e das Forças Armadas aguardam a chegada do reforço e aguardam ordens para fazer a ocupação do morro.

Veja também:

link Cabral reafirma 'compromisso de pacificar todas as comunidades'

link Traficante foi convencido pela mãe a se entregar à polícia

link Tiroteio e incêndio na entrada do Complexo do Alemão

link Chegada de presos causa tumulto em delegacia no Rio

link PM vai entrar no Complexo do Alemão, diz comandante geral

link Cinco civis são baleados no Alemão; 39 morreram desde domingo

link Chefe do CV e mais 500 estão no Complexo do Alemão, estima polícia

link Perda de espaço motiva ataques do tráfico, dizem analistas

link 'Não quero indenização. Queria minha filha', lamenta pai

especial Eduardo Paes: 'não podemos é esmorecer'

blog Patrícia Villalba: E o Capitão Nascimento com isso?

mais imagens Veja fotos da onda de ataques no Rio

video Vídeo - Bope troca tiros no Complexo do Alemão

forum Presenciou algum ataque? Conte-nos como foi

A saída de carros policiais é intensa e o ataque de dominação na Favela da Grota pode acontecer a qualquer momento. Os moradores passaram a madrugada deixando a favela para evitar o confronto entre os policiais e traficantes. O contigente deve se dividir na entrada na favela e parte na invasão do morro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.