Wilton Junior / Estadão
Wilton Junior / Estadão

National Geographic Society oferece ajuda para reconstruir Museu Nacional

Diretor-executivo do grupo diz que NatGeo poderá ajudar com parte de seu acervo e apoio financeiro; autoridades de cultura do Uruguai lamentam o incêndio e se colocam à disposição para ‘colaborar no que considerarem oportuno’

O Estado de S.Paulo

06 Setembro 2018 | 06h18

ATLANTA, EUA - O diretor-executivo da National Geographic Society (NatGeo), Gary Knell, ofereceu ajuda ao Brasil para reconstruir o Museu Nacional do Rio, destruído por um incêndio no domingo. Durante um evento com o embaixador brasileiro em Washington, Sergio Amaral, na terça-feira, 4, Knell disse que a NatGeo poderá ajudar com parte de seu acervo e apoio financeiro.

Ele também lamentou a tragédia no museu e ressaltou sua importância durante o encontro, acrescentando que a instituição colocaria seu acervo à disposição do governo brasileiro. A organização sem fins lucrativos Natgeo realiza pesquisas e tem canais de comunicação impressos e televisivos voltados para a história natural e antropologia.

Reveja: o rosto da tragédia

O diretor da instituição sugeriu que pode enviar para a reconstrução do Museu Nacional itens originais de seu acervo, além de mobilizar colaboradores e pesquisadores no Brasil para auxiliar no processo de reconstrução do local. Knell comprometeu-se a conversar mais e a estreitar o diálogo com o governo brasileiro para estabelecer como a ajuda será realizada.

Uruguai

O diretor nacional de Cultura do Uruguai, Sergio Mautone, e o coordenador de museus do país, Javier Royer, expressaram profundo pesar pelo incêndio que destruiu quase 90% do acervo do Museu Nacional.

Em carta enviada às autoridades brasileiras, eles destacam que o incêndio arrasou "coleções de imensurável valor patrimonial e um edifício que foi testemunha e protagonista da história do Brasil e da região, que tinha 200 anos de história material da instituição e milhões de anos de história universal".

Reveja: Museu Nacional tenta contar as perdas

No texto, afirmam ainda que, em nome do governo uruguaio e de todos os museus do país, enviam aos trabalhadores dos museus brasileiros um "fraterno e solidário abraço" e se colocam à disposição para "colaborar no que considerarem oportuno".

A carta foi direcionada ao reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Roberto Leher, ao diretor do Museu Nacional do Rio, Alexandre Kellner, e ao presidente do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), Marcelo Araújo. / AGÊNCIA BRASIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.