Nº de explosões de caixas no Rio é o maior para julho desde 2009

No fim de semana passado, foram 4 casos em menos de 24 horas

Danielle Villela, O Estado de S. Paulo

06 de julho de 2015 | 18h38

RIO - Com quatro casos em menos de 24 horas no fim de semana passado, o número de explosões de caixas eletrônicos superou o total de ocorrências do tipo registradas no Estado do Rio nos meses de julho desde 2009, segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP). Antes de 2009, não havia dados específicos para ocorrências de roubo a caixas eletrônicos.

Nos últimos seis anos, houve o registro de, em média, dois casos de roubo a caixa eletrônico nos meses de julho. Apesar da quantidade de casos em um curto espaço de tempo, o número de ocorrências de roubo a caixas eletrônicos caiu nos últimos dois anos, segundo o ISP, vinculado

à Secretaria Estadual de Segurança.

Entre janeiro e maio de 2015, foram registrados 17 casos de roubo a caixa eletrônico no Estado do Rio, dos quais seis na capital, oito na Baixada Fluminense (região metropolitana), uma em Niterói (município vizinho) e duas no interior. No mesmo período de 2013, houve 24 registros: 15 no Rio, três na Baixada, um em Niterói e cinco no interior. 

As estatísticas não apontam os casos em que houve uso de explosivos, como nas ocorrências deste fim de semana. Podem incluir roubos com emprego de  maçaricos, pé de cabra, marretas ou outras ferramentas. 

Na madrugada de domingo, quatro homens encapuzados e armados explodiram um caixa com uma granada na Padaria do Juan, em Campo Grande, zona oeste do Rio. Os bandidos renderam o padeiro Renato Romão Camargo e fugiram com o dinheiro. Cinco horas depois, mais três caixas eletrônicos foram alvo de explosivos de fabricação caseira em padaria na Estrada Velha do Pilar, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense.  

A perícia foi feita nos dois locais. Testemunhas estão sendo ouvidas na 35ª e 60ª Delegacias de Polícia, onde as ocorrências foram registradas. Também estão sendo realizadas diligências em busca de câmeras de segurança que auxiliem na identificação dos criminosos.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.