Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

No Rio, ONG Ação da Cidadania volta a montar ‘mesa da fome’ após dez anos

Alimentos foram dispostos por voluntários em uma mesa de um quilômetro de comprimento, instalada no Aterro do Flamengo

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2017 | 15h15

RIO - De olho no retorno da fome no Brasil, a ONG Ação da Cidadania voltou a promover o evento 'Natal sem Fome" após dez anos da última edição. Na ação, os organizadores colocaram pratos e alimentos sobre uma mesa com um quilômetro de comprimento, instalada neste domingo, 22, no Aterro do Flamengo, na zona sul do Rio. O objetivo é chamar a atenção para o risco de o País retornar ao Mapa da Fome, da Organização das Nações Unidas (ONU). A meta da ONG é arrecadar 500 toneladas de alimentos até o fim do ano. 

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 7 milhões de brasileiros passam fome. O quadro se agravou a partir de 2014, ano de início da crise econômica. Do ponto de vista estatístico, o número não é suficiente para posicionar o País novamente como um dos mais críticos no mundo, por ter mais de 5% da população ingerindo menos calorias do que o necessário. A ONG ,fundada pelo sociólogo Herbert de Souza, alerta, porém, para o agravamento da pobreza nos últimos anos e os retrocessos sociais enfrentados. 

Diretor executivo da Ação da Cidadania, Kiko Afonso destaca a importância de trazer a pauta da fome para a sociedade e governo, especialmente, por causa da proximidade das eleições. "A pobreza aumentou. É preciso investir em soluções de sobrevivência", disse. Ele cita um relatório da Oxfam Brasil, realizado a partir de pesquisa do Banco Mundial, que demonstra que 16 milhões de brasileiros vivem em condições precárias, abaixo da linha da pobreza. "Retrocedemos, pelo menos, dez anos, principalmente no Rio", acrescentou. 

A campanha vai se estender a outros 17 Estados, entre eles São Paulo. Os alimentos serão organizados em cestas básicas e distribuídos para 2 milhões de pessoas no último fim de semana antes do Natal. Até lá, por meio das redes sociais e da página Natal Sem Fome, serão arrecadadas doações individuais. Postos de coleta também funcionarão no dia 20 de dezembro para que a população leve pessoalmente suas doações. O esperado, no entanto, é que a maior parte das colaborações parta de empresas e entidades de representação do setor industrial, parceiras da campanha.

 

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro [cidade RJ]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.