REUTERS/Chris Wattie
REUTERS/Chris Wattie

Notas com cheiro de maconha levam polícia a quadrilha de lavagem de dinheiro no Rio

Cinco pessoas foram presas na manhã deste sábado, 25, na capital fluminense

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2019 | 12h21

RIO - A Polícia Civil conduz neste sábado, 25, uma operação contra acusados de integrar um esquema de lavagem de dinheiro do tráfico de drogas. As investigações tiveram origem no Rio de Janeiro, depois que foi identificado um depósito em espécie numa conta bancária. O dinheiro depositado despertou a atenção de agentes porque exalava um forte odor de maconha.

Segundo a polícia, foram identificados diversos depósitos na mesma conta bancária, originários de diferentes cidades brasileiras. Embora fossem somas significativas, alcançando por vezes dezenas de milhares de reais, os depósitos eram majoritariamente efetuados através de notas de baixo valor, de até R$ 20,00.

Cinco pessoas já tinham sido presas pela manhã. Ao todo, foram expedidos pela Justiça oito mandados de prisão e outros seis de busca e apreensão. Os agentes apreenderam dinheiro e drogas, mas permaneciam em busca de mais suspeitos.

O principal alvo era a quadrilha que atua no tráfico de drogas no Morro do Borel, na Tijuca, zona norte do Rio, mas a operação, batizada de "Shark Attack", também envolvia outros três estados, com apoio das polícias locais. Além da capital do Rio, havia mandados de prisão e de busca e apreensão sendo cumpridos em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, e em Curitiba, capital do Paraná.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.