Nove PMs condenados pela morte de Patrícia Acioli são expulsos

Sanção foi aplicada 3 anos após crime; juíza conduzia processos em que policiais eram acusados por homicídios e extorsões

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

17 de setembro de 2014 | 20h46

RIO - Nove dos 11 policiais militares do Rio de Janeiro condenados por envolvimento no assassinato da juíza Patrícia Acioli foram expulsos da corporação. A decisão do comando da PM foi publicada nesta terça-feira, 16, no boletim interno da Polícia Militar.

A expulsão ocorreu 3 anos e um mês após o crime. A demora, criticada por familiares da juíza, se deveu a questões burocráticas, segundo a polícia. Os julgamentos desses policiais ocorreram entre dezembro de 2012 e abril passado.

A juíza trabalhava em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, e foi morta em agosto de 2011, em frente à sua casa, em Niterói, na mesma região. Ela era responsável por julgar processos em que policiais eram acusados por homicídios e extorsões.

O tenente Daniel Benitez Lopez e o tenente-coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira ainda não foram expulsos. À época do crime, Cláudio era comandante do 7º Batalhão da PM, sediado em São Gonçalo, e foi considerado pela Justiça o mandante do crime.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio de JaneiroPatrícia Acioli

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.