Número de mortes pelas chuvas na região Serrana do Rio chega a 748

Previsão é de que total aumente conforme resgate tem acesso a áreas isoladas; Friburgo soma 359 vítimas

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo, com Efe

20 de janeiro de 2011 | 01h01

RIO - O número de mortes pelas chuvas que castigaram a região serrana do Rio de Janeiro na semana passada subiu para 748 na tarde desta quinta-feira, 19, segundo a Polícia Civil do Estado. Equipes de resgate continuam as buscas por mais de 200 desaparecidos.

 

Veja também:

linkTrês mil crianças estão sem casa na serra do Rio

linkChuva como aquela só a cada 350 anos, diz Inea

linkNúmero de mortes pelas chuvas chega a 741

lista MP divulga lista de desaparecidos; confira

especialSaiba como ajudar as vítimas das chuvas

mais imagens GALERIA - Imagens de destruição e desespero

 

De acordo com o boletim, em Teresópolis, o número de mortos atingiu a marca de 300 pessoas. Em Nova Friburgo, já são 359. O número de corpos resgatados chegou a 63 em Itaipava (distrito de Petrópolis), 21 em Sumidouro, quatro em São José do Vale do Rio Preto e uma em Bom Jardim.

 

O total de desabrigados (aqueles que perderam tudo e precisam dos abrigos públicos) e de desalojados (aqueles que podem contar com a ajuda de vizinhos e familiares) não sofreu alteração. Em Petrópolis há 2.800 desabrigados e 3.600 desalojados. Já em Nova Friburgo são 1.970 desabrigados e 3.220 desalojados. Em Teresópolis, 1.280 se encontram desabrigados e 960, desalojados.

 

No oitavo dia de trabalho, os socorristas encontraram ontem outros 31 corpos e a previsão é de que o número seja maior à medida que as equipes tenham acesso às áreas mais isoladas.

 

O vice-governador do Rio de Janeiro e secretário regional de Obras, Luiz Fernando Pezão, disse que além das áreas isoladas pelas toneladas de terra, pedras e lama que deslizaram das montanhas, é possível que sejam encontrados mais corpos durante as tarefas de limpeza onde o acesso já é possível.

 

Pezão, citado em comunicado divulgado pelo governo, afirmou que as equipes de limpeza se concentrarão na Praça do Suspiro, na cidade de Nova Friburgo, onde acredita-se que há veículos soterrados pela lama com pessoas dentro.

  

"Estamos chegando a todas as áreas afetadas. Algumas por ar, mas a grande maioria por terra. Hoje conseguimos chegar até o Village, onde, segundo relatam seus habitantes, há mais de 20 automóveis soterrados", disse.

 

O presidente da Empresa de Obras Públicas (Emop) do estado do Rio de Janeiro, Ícaro Moreno, admitiu em declarações a jornalistas que é possível que alguns corpos não sejam encontrados pelo difícil acesso.

 

Atualizado às 17h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.