FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Ocupação de quatro favelas da Maré passará para tropas da PM

Área que será transferida da Força de Pacificação para a Polícia Militar é reduto do Comando Vermelho no complexo de favelas 

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

28 de abril de 2015 | 03h00

RIO - A partir da próxima sexta-feira, 1º de maio, o policiamento de mais quatro favelas do Complexo da Maré, zona norte do Rio, passará dos militares da Força de Pacificação para tropas de policiais militares, em nova etapa da instalação da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

As comunidades Parque União, Nova Holanda, Parque Maré e Parque Rubens Vaz são controladas pela facção criminosa Comando Vermelho (CV).

De acordo com o Censo de 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 50.578 pessoas habitam as quatro favelas, que concentram 39% dos 129.770 moradores do complexo. 


Atualmente, um efetivo de 3.200 profissionais do Exército, da Marinha e da Aeronáutica trabalha no complexo. A partir de sexta-feira, 330 deles voltarão aos quartéis. Desde 1º de abril deste ano, o Batalhão de Choque da Polícia Militar (PM) ocupa, sem confrontos, as comunidades Roquete Pinto e Praia de Ramos, áreas dominadas por milícias.

A área que será transferida dos militares para a PM é o reduto do CV na Maré. Ao longo da semana, reuniões entre a PM e o comando da Força de Pacificação vão detalhar a ocupação.

“O plano para a ocupação está sendo definido”, informou a PM em nota, sem especificar quantos agentes entrarão nas comunidades. O Exército anunciou que a saída definitiva dos militares será em 30 de junho. Segundo a PM, desde novembro de 2014, 220 policiais militares atuam junto ao Exército no Complexo da Maré. Lotados na Coordenadoria de Policia Pacificadora (CPP), os PMs integrarão as sedes da UPP. A Secretaria Estadual de Segurança não confirmou quantas UPPs serão instaladas na região, apesar de, em novembro de 2013, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, ter anunciado quatro unidades. 

Para Edson Diniz, um dos diretores da organização Redes de Desenvolvimento da Maré, a transição terá que levar em conta o fato de que três das quatro favelas (Parque União, Nova Holanda e Parque Maré) estão entre as mais populosas do complexo - Parque União lidera, com 19.662 moradores.  

“São comunidades muito maiores, com uma vida cultural noturna bem mais intensa. Isso é fator de preocupação para as pessoas”, afirmou Diniz. A violência é uma das características da área a ser assumida pela PM. Na Nova Holanda, os relatos de tiroteios são frequentes. Segundo moradores, os traficantes agem de modo menos ostensivo, escondidos em becos e vielas.

Em nota, a Força de Pacificação informou que “estabeleceu uma janela de oportunidades com a finalidade de realizar uma atuação conjunta com os órgãos de segurança e de ordem pública para desarticular facções criminosas e permitir que entidades governamentais possam realizar ações para a melhoria das condições de vida da população”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.