Ocupação em São Gonçalo tem princípio de incêndio

Líder do MTST diz acreditar que tenha sido um ataque à ocupação

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

02 de novembro de 2014 | 13h26

RIO - As famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) que ocuparam um terreno no bairro Jardim Catarina, em São Gonçalo (região metropolitana), na noite de sexta-feira, 31, foram surpreendidas por um princípio de incêndio, na madrugada deste domingo, 2. O coordenador do MTST Guilherme Simões disse acreditar que tenha sido um ataque à ocupação. Os próprios invasores apagaram o fogo, que atingiu alguns barracos, ainda desocupados. Ninguém ficou ferido. O Corpo de Bombeiros e a polícia não foram acionados.

"Acreditamos que o incêndio tenha sido criminoso, porque há muita intolerância à luta pela moradia. Estamos lançando a campanha 'menos ódio, mais moradia' para chamar atenção para a nossa luta", diz Simões. No fim da tarde deste domingo haverá um ato público no terreno, de apoio à iniciativa do MTST, com participação prevista de sindicalistas e representantes de outros movimentos sociais do Estado. O terreno ocupado, segundo Simões, tem cerca de 60 mil metros quadrados. O líder sem teto disse que não há informações sobre o proprietário da área no cartório de imóveis da região.

O ocupação começou com 200 famílias e agora o número chega a 300, segundo Simões. A chegada ao terreno foi transmitida ao vivo na página do MTST no Facebook, que tem sido atualizada com fotos e informações da ocupação. Em nota, a prefeitura de São Gonçalo disse que "a administração municipal tomou conhecimento do ocorrido através da imprensa e na segunda-feira reunirá diversos órgãos para analisar a situação, além de identificar se a área é pública ou privada".

Tudo o que sabemos sobre:
OcupaçãoMTST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.