Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Operação contra roubo de cargas prende 20 pessoas no Rio

Denúncia aponta que criminosos praticavam roubos para financiar tráfico de drogas e que tinham apoio de facções do RJ e de SP; operação da Polícia Civil e do MP cumpre 37 mandados de prisão

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2018 | 10h40

RIO - A Polícia Civil e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro fazem na manhã desta quarta-feira, 26, uma operação para cumprir 37 mandados de prisão preventiva contra uma quadrilha de traficantes especializada em roubo de carga. Até as 9 horas, 20 pessoas já tinham sido presas.

Segundo a denúncia, os criminosos praticam roubos de cargas de veículos de transporte para consolidar o poder e financiar o tráfico de drogas. Para executar as ações, utilizam armamento de guerra (fuzis, pistolas e granadas) e se beneficiam do controle territorial de comunidades carentes para fazer o transporte das mercadorias e a revenda das cargas. Ainda de acordo com a denúncia, o grupo  recebe apoio bélico e financeiro de facções criminosas do Rio e de São Paulo.

Os criminosos usam uniformes policiais, bloqueadores de GPS e contam com “batedores” para prevenir abordagem policial. Também atuam em conluio com motoristas de empresas de transporte de cargas, que fornecem informações privilegiadas sobre os deslocamentos.

O grupo consolidou-se na localidade conhecida como Cidade Alta, no bairro de Cordovil, mas atua em associação com traficantes de diversas outras áreas, entre elas a Comunidade do Muquiço, em Marechal Hermes; a Vila Aliança, em Bangu; a Comunidade da Quitanda, no Complexo da Pedreira; no Complexo da Maré e até com ramificações em São Gonçalo e na Região dos Lagos.

Entre os 37 denunciados há chefes do tráfico, assaltantes, seguranças privados, motoristas e batedores. A denúncia é resultado de 10 meses de investigação. Os criminosos responderão na Justiça pelos crimes de associação para o tráfico e financiamento do tráfico por meio dos roubos de carga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.