Operação deve prender 53 PMs e 7 policiais civis no Rio

Denunciados são acusados dos crimes de formação de quadrilha, concussão e roubo; investigações constataram o envolvimento de policiais na cobrança de propina de camelôs e mototaxistas ilegais

Marcelo Gomes, Agência Estado

30 Abril 2013 | 09h56

RIO - Agentes da Subsecretaria de Inteligência (SSINTE) da Secretaria de Segurança do Rio realizam, nesta terça-feira, 30, a Operação Compadre, com objetivo de cumprir 78 mandados de prisão (entre eles 53 contra policiais militares e 7 contra policiais civis) e outros 78 mandados de busca e apreensão. Os denunciados são acusados dos crimes de formação de quadrilha, concussão e roubo.A partir das investigações da SSINTE e da Corregedoria da Polícia Militar, que duraram seis meses, foi constatado o envolvimento de policiais civis e militares na cobrança de propina de camelôs e mototaxistas ilegais nos bairros de Honório Gurgel, na zona norte, e Bangu, na zona oeste.

A Secretaria de Segurança informou que, até as 10h30m, 54 pessoas haviam sido presas, sendo 36 PMs e cinco policiais civis. Os outros 13 presos não são policiais.

Segundo as investigações, os réus exigiam de camelôs e mototaxistas, por meio de ameaças com armas, determinadas quantias de dinheiro: os comerciantes que trabalhavam com mercadorias "pirateadas" (DVDs, aparelhos eletrônicos, telefones celulares, roupas e relógios usados) eram coagidos a pagar R$ 70, divididos em duas parcelas de R$ 35 cobradas todas as quartas e quintas-feiras; já dos vendedores de mercadorias lícitas era cobrada a quantia de R$ 5, sempre às sextas e sábados. Além disso, mercadorias apreendidas de forma irregular eram revendidas a outros feirantes.

Em flagrantes feitos pelas equipes de Inteligência da Secretaria de Segurança foi detectado ainda que um homem, que se passava por policial civil, e policiais militares repartiam o dinheiro recolhido com duas viaturas que costumavam parar sistematicamente para recolher a propina. Passou-se então a se investigar um esquema de corrupção envolvendo policiais do 14º BPM (Bangu), da 34ª DP (Bangu) e da Delegacia de Repressão aos Crimes contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM).

Durante a apuração da denúncia, mototaxistas revelaram não possuir carteira nacional de habilitação e não trafegar de acordo com as leis de trânsito. Foi identificado que muitos mototaxistas faziam ainda o transporte de drogas para usuários. Com a propina paga aos policiais, as irregularidades não eram combatidas. As corregedorias das polícias Civil e Militar já instauraram procedimentos investigativos. Desde 2008, mais 1.400 policiais civis e militares foram expulsos das corporações.

Mais conteúdo sobre:
Operação Compadre Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.