Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Megaoperação prende dez e apreende dois jovens no Morro dos Macacos

Forças de Segurança buscaram traficantes envolvidos na invasão da Rocinha

Bibiana Borba e Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2017 | 06h27
Atualizado 07 Outubro 2017 | 07h26

Policiais militares, civis, federais e agentes das Forças Armadas realizaram uma megaoperação no Morro dos Macacos, na região da Vila Isabel, na zona norte do Rio de Janeiro, nesta sexta-feira, 6. Cerca de 900 agentes entraram na favela no início do dia para cumprir 31 mandados de prisão. Ao final da ação, a polícia divulgou que dez bandidos foram presos, além de dois menores de idade apreendidos.

Os criminosos seriam ligados ao traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, da facção Amigo dos Amigos (ADA). O grupo, que domina o tráfico no Morro do Macacos, teria participado da invasão na Rocinha no mês passado

+ Polícia confirma que Rogério 157 mudou de facção e agora é do CV

O delegado da 20ª Delegacia de Polícia (Vila Isabel) Marcus Vinicius Braga disse que o objetivo da operação não era prender o traficante Leandro Nunes Botelho, conhecido como Scooby, considerado o chefe do tráfico na região. Segundo o delegado, informações da polícia concluíram que o traficante não estaria mais no local.

Na madrugada, foi registrado um novo tiroteio na Rocinha, segundo relatos de moradores em redes sociais. Dois criminosos foram mortos e uma adolescente de 16 anos foi ferida por uma bala perdida.

Conforme comunicado da Secretaria de Estado de Segurança (Seseg), as Forças Armadas estão responsáveis pelo cerco da comunidade e baseadas em pontos estratégicos, enquanto as polícias atuam dentro da favela. Helicópteros controlam a operação do alto e a circulação de aviões na área está restrita.

 

"No Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Cidade Nova, representantes de todas as instituições envolvidas na operação estão acompanhando e orientando, em tempo integral, os desdobramentos, desde as cinco horas da manhã", segundo a nota divulgada pela secretaria. 

+ Filho do pedreiro Amarildo é preso em casa com uma pistola

+ Após noite de tiroteios, PM anuncia aumento do efetivo na Rocinha

"Sucesso". Considerada como um "sucesso" pelas Forças de Segurança, a operação recolheu o que as forças de segurança classificaram como "farta quantidade de drogas e material de endolação", segundo a Secretaria de Segurança do Rio.

A operação foi feita após três meses de investigações para desmantelar o tráfico no Morro dos Macacos. "O resultado da operação considero um sucesso e não teve nenhum efeito colateral para a comunidade. Conseguimos desarticular grande parte desta quadrilha, e só dois tiros foram disparados", afirmou Braga.

Questionado sobre por que não houve apreensão de armas, o delegado admitiu que há dificuldade nesse tipo de trabalho. Depois, disse que esse "não era o objetivo principal da operação". "Nosso foco era cumprir os mandados de prisão", justificou.

As Forças Armadas assumiram cerco à comunidade. Algumas ruas foram interditadas e o espaço aéreo foi controlado. Esta foi a sexta operação integrada no Rio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.