Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Operação na Maré deixa 4 mortos e 8 feridos

Três foram presos e a polícia apreendeu 300 quilos de drogas

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

06 Novembro 2018 | 13h02

RIO - Uma operação da Polícia Militar com reação de traficantes resultou na morte de quatro pessoas e deixou oito feridas nesta terça-feira, 6, nas favelas Nova Holanda e Parque União, no Complexo da Maré, na zona norte do Rio. Participam da ação, que começou por volta de 1h30, segundo moradores, equipes do Batalhão de Operações Especiais, do Batalhão de Choque e do Batalhão de Ações com Cães. Foram apreendidos 300 quilos de drogas e presas três pessoas.

Conforme a PM, “o objetivo da ação é restabelecer a rotina dos moradores e prender os criminosos envolvidos na disputa do tráfico de drogas local”. As pessoas que morreram não tiveram a identidade revelada. Três, pelo menos, seriam traficantes, informou a PM. Um dos feridos seria um traficante, que está no Hospital de Bonsucesso; seu nome também não foi divulgado.

Outro dos feridos é um cantor de funk conhecido como MC Rodson. O artista passeava com seu cachorro, na rua de casa, quando foi baleado. Ele está internado no Hospital Municipal Evandro Freire, onde foi operado, e seu quadro é estável, conforme seus produtores. A polícia não confirmou a informação.

De acordo com moradores, o tiroteio entre policiais e traficantes começou por volta de 1h30. Por volta das 3h30, houve protestos na Avenida Brasil, com queima de materiais na pista em direção à zona oeste, que ficou interditada. Motoristas que passavam pela via, que margeia o complexo de favelas, voltaram de ré.

Nas duas favelas da Maré, foram apreendidos uma pistola, uma moto, um fuzil Airsoft, dois canos de fuzil FAL, uma luneta, um colete à prova de balas e uma granada. Na hora do almoço, a PM divulgou que a operação estava sendo encerrada. Mas moradores relataram ainda ouvir tiros até por volta das 15 horas pelo menos.

Eles trocam informações sobre a operação e seus desdobramentos nas redes sociais. O Grupo Maré Vive, no Facebook, compartilhou que os tiroteios são intermitentes durante todo o dia, e que ocorreram invasões de residências.

“Vira e mexe a bala come. Os agentes estão entrando nas casas de moradores ali próximo ao Campo da Paty. Se tiver alguma casa vazia de morador que foi trabalhar, por favor, avisem aí a algum parente que possa ficar próximo. Qualquer invasão sem autorização do morador é abuso de poder, nos mantenham informados sobre. Vamos nos comunicar, vamos nos proteger!”

No início da manhã, o relato era de que a troca de tiros era a mais intensa dos últimos tempos e que as escolas não teriam aulas. “Obviamente essa maldita ‘guerra às drogas’ nunca será benéfica para a favela, pois não passa de uma justificativa para oprimir ainda mais as favelas e periferias. Já são sete horas e a operação continua da Nova Holanda até o Parque União. Morador, se tiver de sair de casa saia, mas, cuidado redobrado se tiver de entrar”.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.