JOSE LUCENA/FUTURA PRESS
JOSE LUCENA/FUTURA PRESS

Operações do Exército e da polícia deixam 7 mortos no Rio

Um deles é Sérgio Luiz da Silva Júnior, o Da Russa, que comandava o tráfico no Morro São José. Também houve confrontos na Cidade de Deus, zona oeste

Wilson Tosta, O Estado de S.Paulo

19 Maio 2018 | 13h27

RIO - Sete suspeitos morreram neste sábado, 19, em consequência de operações promovidas pelo Exército e pelas polícias fluminenses em mais de dez comunidades das zonas oeste e norte do Rio. Um dos mortos é Sérgio Luiz da Silva Júnior, o Da Russa, que comandava o tráfico no Morro São José Operário, na Praça Seca, e era apontado como um dos responsáveis pelo estupro coletivo de uma adolescente há dois anos. Pelo menos 19 supostos criminosos foram presos e três menores, apreendidos. Para as ações policiais, a estrada Grajaú-Jacarepaguá foi interditada a veículos no início da manhã. Permanecia fechada pelo menos até o início da tarde.

O ataque ao bando de Da Russa começou nas comunidades  de São José Operário (também conhecida como Morro da Barão), Bateau Mouche, Caixa D'Água, Chacrinha, Mato Alto, Covanca e Pendura-Saia - todas em torno da Praça Seca, na zona oeste. A região é disputada por traficantes e milicianos, com confrontos armados à bala diários nas ruas, a qualquer hora. Segundo o serviço Fogo Cruzado, foi a área que registrou mais tiroteios - 100 - de 16 de fevereiro a 15 de maio, primeiros três meses da intervenção federal na segurança. 

As favelas começaram a ser cercadas e ocupadas por volta das 22h30 da sexta-feira, 18. A iniciativa envolveu 2.800 militares das Forças Armadas, 300 PMs  e 240 policiais civis.

+++  Violência se intensificou no Rio após intervenção federal, diz estudo

+++  Número de mortos pela polícia do Rio aumentou 26,3% em abril

De acordo com a Polícia Militar, agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) que vasculhava a região encontraram, já na madrugada deste sábado, criminosos armados nas matas dos morros da Barão e Bateau Mouche. Houve tiroteio, e os agentes recolheram três fuzis deixados pelos suspeitos. Sem saída pela Praça Seca, Da Russa e seus comparsas fugiram pelo outro lado, atravessando a cidade pelos morros cobertos de mata entre as regiões. Buscavam refúgio em favelas do Complexo do Lins, na zona norte, como os morros da Camarista Méier e Cotia, que também dominavam.

Por volta das 7 horas de sábado, PMs das UPPs do Complexo do Lins e Camarista Méier, em patrulhamento no Morro da Cotia, entraram em confronto com criminosos do bando em fuga. Foram mortos ali seis homens - um deles, reconhecido depois como Da Russa. Ele era apontado como homem de confiança de Luiz Cláudio Machado, o Marreta, preso desde 2014. Era também personagem central dos episódios violentos na Praça Seca - muitos ocorridos durante o dia e exibidos em noticiários televisivos do Rio. No confronto, foram apreendidos dois fuzis, quatro pistolas e drogas.

Um sétimo suspeito foi ferido no mesmo confronto, mas sobreviveu e foi socorrido no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, na zona norte. As operações na região, porém, continuaram. No Morro do Amor, também no Complexo do Lins, um homem foi preso com uma pistola. Seis carros roubados foram recuperados.

Mais um suspeito  foi morto na operação promovida por policiais militares do outro lado da cidade, na Cidade de Deus, na zona oeste, onde outro homem foi ferido e preso. Lá, policiais militares prenderam 16 supostos criminosos e apreenderam nove pistolas, drogas e 27 telefones celulares.

Até o início da tarde, tinham sido apreendidos cinco fuzis, pelo menos 14 pistolas, além de granadas, veículos, drogas, celulares e radiotransmissores.  As operações policiais continuavam até o início da tarde, quando a Grajaú-Jacarepaguá continuava fechada. O Batalhão de Operações com Cães (BAC) seguia vasculhando o Morro da Barão.  / Colaborou Fabio Grellet

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.