Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Para evitar arrastões no Rio, policiais revistam passageiros de ônibus

Polícia reforça contingente na orla das praias cariocas após série de casos de roubo

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

26 Setembro 2015 | 11h40

RIO - A manhã do primeiro sábado da Operação Verão, esquema de policiamento na orla das praias cariocas que engloba 700 policiais militares, começou nublada, quente e sem registros de arrastões ou atos de vandalismo. Com o sol entre nuvens, 34 pontos de blitz e até agentes do Batalhão de Choque, adolescentes de favelas da zona norte ainda não apareceram nos pontos de ônibus, e os veículos seguem vazios rumo à zona sul.

"Os sementes do mal não vieram até agora. Estão com medo dos tacos de beisebol", disse um motorista do ônibus 474 (Jacaré-Jardim de Alah), uma das principais linhas usadas por adolescentes que praticam os roubos nas praias. No domingo, 20, moradores organizados da zona sul agrediram passageiros desses ônibus, numa reação aos arrastões ocorridos na Praia de Ipanema e em ruas de Botafogo. "Hoje em dia eles não têm medo da polícia. Sai o sol, já era".

Os ônibus são parados em algumas barreiras e policiais militares sobem nos veículos e revistam passageiros. Alguns, no entanto, seguiram direto. Motoristas ouvidos pelo Estado disseram que este é um sábado atípico. O movimento de jovens do "coreto", grupo que sai para praticar roubos, começa geralmente às 10h.

Na Praia do Arpoador, em Ipanema, frequentadores disseram também que a situação está mais calma do que no fim de semana passado. "A essa hora já tinha um clima de tensão", comparou a funcionária de um quiosque, que preferiu não se identificar.

No Twitter, o perfil do governo do Estado postou mensagem em que explica que a Operação Verão foi antecipada para "que todos que querem ir à praia para se divertir, exercitar ou trabalhar cheguem em segurança".

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiropraia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.