Marcelo Sayão/EFE
Marcelo Sayão/EFE

Parte de carro alegórico da Unidos da Tijuca afunda e deixa 12 feridos

Duas pessoas estão em estado grave; escola estourou o tempo de desfile e será punida

Mariana Sallowicz, Monica Ciarelli e Fabio Grellet, O Estado de S.Paulo

28 Fevereiro 2017 | 02h49

(Atualizada às 5h29) RIO - O desfile da Unidos da Tijuca foi dramático na Marquês de Sapucaí. A parte de cima do carro alegórico que representava a cidade americana de Nova Orleans afundou durante o desfile e 12 pessoas ficaram feridas, duas em estado grave. O carro ficou parado na pista e as alas tiveram de passar ao lado, o que prejudicou muito a evolução da escola. O tempo para atravessar a avenida estourou e a escola vai perder 0,1 ponto. As causas do acidente serão investigadas.

Foram feitos 20 atendimentos médicos por causa do acidente, sendo os 12 feridos e outras oito pessoas que receberam assistência devido à ansiedade e ao nervosismo provocados pelo estresse em função do acidente. O balanço é da Secretaria Municipal de Saúde.

Dez pessoas foram transferidas em ambulâncias  para os hospitais municipais Souza Aguiar, no centro, Miguel Couto, na Gávea (zona sul), e Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca (zona oeste). Houve atendimentos em dois postos de saúde na Sapucaí.

A vítima com suspeita de traumatismo craniano foi levada para o Souza Aguiar, enquanto a com suspeita de traumatismo abdominal foi encaminhada ao Lourenço Jorge.

O carnavalesco Mauro Quintaes, um dos cinco integrantes da comissão de carnaval da Unidos da Tijuca, suspeita que uma "fadiga" do ferro usado na estrutura do carro alegórico tenha provocado a queda.

Depoimentos. "Estou muito assustada. Estava na parte de baixo do carro. Ouvi um barulho de algo caindo e o cheiro de queimado. O público que avisou a gente", disse a assistente administrativa Nivea Vieira, de 44 anos. Ela era um dos destaques da parte debaixo do carro alegórico.

O nutricionista André Luis de Carvalho, 32, também era um dos destaques. Logo após o acidente, estava chorando ao lado dos amigos. "Parece que duas pessoas caíram, só escutei um barulho muito alto, foi assustador", afirmou.

Ele contou que conhecia as vítimas dos ensaios da escola, mas não sabe o nome delas. "É muito triste, mas vamos lutar. Não vamos perder a esperança. É a minha escola que eu amo muito", afirmou.

O administrador Gil Braz, 50, também estava no carro alegórico. Ele também relatou um forte estouro. "Começaram a gritar para o carro parar. Foi uma situação desesperadora", contou.

A secretária Suzane Pereira, de 38 anos, estava assistindo o desfile no setor 1. "Foi horrível, caiu e agora está pegando fogo lá em cima (do carro). Tem gente ferida, um susto enorme. Não vim ontem, mas essa confusão de hoje é igual ou pior", disse.

Susto. Uma manobra para deslocar o carro alegórico da Unidos da Tijuca que apresentou problemas no início do desfile a voltou a assustar as pessoas na pista próximas ao setor 1. Isso porque o veículo quase subiu na calçada onde havia uma aglomeração. Um dos bombeiros no local gritou para que o carro parasse. Depois disso, a alegoria fez outras manobras e entrou finalmente na Sapucaí.

Mais conteúdo sobre:
Unidos da Tijuca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.