Reprodução/Centro Operações Rio
Reprodução/Centro Operações Rio

Perícia preliminar mostra que PMs e helicóptero não foram alvejados

Autópsia feita nos corpos dos policiais mortos na queda também aponta que eles morreram em decorrência do impacto

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

20 Novembro 2016 | 16h30

RIO - Perícia preliminar feita no helicóptero da Polícia Militar aponta que a aeronave não foi alvejada. A autópsia feita nos corpos dos quatro PMs mortos na queda do helicóptero também mostra que eles morreram em decorrência do impacto. As informações são do porta-voz da PM, major Ivan Blaz. “A documentação pertinente à manutenção da aeronave está em poder do comando da PM. Ela está ok. Mas é muito prematuro que venhamos a falar sem a perícia da aeronáutica. Ela é fundamental para que a gente possa identificar as causas da queda da aeronave”, afirmou Blaz.

Perguntado se pode ter havido falha humana, já que os policiais estavam forte pressão, ele respondeu que os PMs tinham experiência nesse tipo de voo. “Estamos falando de policiais que estão operando há vários anos com operações aéreas. Falar isso neste momento seria até um desrespeito com esses agentes”, afirmou Blaz.

Sobre as operações na Cidade de Deus, afirmou que os confrontos na região são “extremamente complexos”, já que a favela é cercada por mata fechada e área de mangue. “Temos ali ações das tropas especiais visando a manutenção do controle daquela região”. Ele confirmou que foram encontrados sete mortos na região. Sobre a denúncia dos moradores de que houve execução, Blaz afirmou que “os mecanismos correcionais estão à disposição para análise dessas denúncias”.

Mais conteúdo sobre:
Polícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.