AFP
AFP

Pezão admite erro da PM em ação que matou menino no Alemão

Laudo da Polícia Civil concluiu que o tiro que atingiu Eduardo partiu de fuzil; policial que deporia nesta segunda não apareceu

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

13 de abril de 2015 | 22h37


RIO - O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), admitiu nesta segunda-feira, 13, que a Polícia Militar cometeu um erro durante a ação que resultou na morte de Eduardo de Jesus, de 10 anos, baleado na cabeça no complexo de favelas do Alemão, na zona norte do Rio, em 2 de abril.

Em entrevista concedida após um evento em Copacabana (zona sul), Pezão afirmou que “quem investigou foi a polícia, a própria PM apresentou esses policiais, viu pela localização que tinha tido um erro ali. Agora está se apurando, é lamentável, muito triste e mostra que a gente tem que cada vez continuar a treinar melhor, capacitar melhor os nossos policiais”. “É muito triste ver um garoto de 10 anos perder sua vida ali”, concluiu Pezão.

Na semana passada, um laudo da Polícia Civil concluiu que o tiro que matou Eduardo partiu de um fuzil. O policial militar que é o principal suspeito de ter feito esse disparo iria prestar depoimento nesta segunda na Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio, na Barra da Tijuca (zona oeste), mas não apareceu. 

O depoimento ocorreria na semana passada, mas seu advogado apresentou atestado médico segundo o qual seu cliente estava abalado emocionalmente. A licença acabaria ontem, mas segundo a PM foi renovada por mais oito dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.