Pezão diz que Rio pode ter falta de água em 30 dias

Durante uma sabatina com os candidatos do 2º turno no Estado, atual governador diz que pode 'ter problema' no abastecimento

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

16 Outubro 2014 | 19h50

Atualizada às 22h27

RIO - O governador do Rio e candidato à reeleição, Luiz Fernando Pezão (PMDB), afirmou nesta quinta-feira, 16, que, assim como já acontece em São Paulo, o Estado pode enfrentar falta d’água se não chover nos próximos 30 dias. 

“A gente ainda tem o sistema (da represa) de Ribeirão das Lajes. Em Santa Cecília (barragem situada em Barra de Piraí, no sul fluminense) ainda dá para o abastecimento. Mas, se a seca continuar pelos próximos 30 dias, vamos ter problema. Esse reservatório ainda segura uns 30 dias. Espero que comece a chover. Tenho acompanhado os radares”, afirmou, durante sabatina promovida pelo jornal O Globo.

“Parece que, nos últimos 50 anos, essa é a maior seca, está havendo uma queimada muito grande”, disse Pezão. 

O governador afirmou que está “conversando permanentemente” com o governo de São Paulo. “Hoje mesmo teve uma conversa. Nós nos submetemos ao governo federal. Converso sempre com a ministra Izabella (Teixeira, do Meio Ambiente) e ela tem nos informado sobre as posições do governo federal.”

Na quarta-feira, a Agência Nacional de Águas (ANA) acusou a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) de descumprir decisão da Justiça Federal e captar mais água do Sistema Cantareira do que foi permitido pelos órgãos reguladores.

Desde março, o uso da água de rios que atendem São Paulo e Rio é alvo de polêmica entre os dois Estados. O governo de São Paulo chegou a reduzir a vazão do Rio Paraíba do Sul, que abastece parte do Estado do Rio. Alguns municípios, como Barra do Piraí (RJ), enfrentam problemas no abastecimento desde agosto.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Luiz Fernando Pezão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.