MARCOS ARCOVERDE/ESTADAO
MARCOS ARCOVERDE/ESTADAO

Pezão diz que Rio tem condições de combater tráfico, 'mas junto com Forças Armadas'

Governador negou que a população do Estado precise se acostumar com o poder do tráfico de drogas

O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2017 | 21h42

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), afirmou que o Rio de Janeiro tem condições de combater o tráfico “mas junto com as Forças Armadas”. As tropas estão atuando em operações na capital fluminense desde agosto, e na sexta-feira foram chamadas para ajudar no cerco à favela da Rocinha.

Em entrevista à Globonews na noite de sexta-feira, 22, Pezão negou que a população do Estado precise se acostumar com o poder do tráfico de drogas. “Nós temos condições de combater, mas junto com as Forças Armadas”, sustentou o governador, que disse pleitear ajuda federal desde que assumiu o cargo em abril de 2014, quando o então governador Sergio Cabral (PMDB) deixou o cargo.

“O Rio de Janeiro é cercado de rodovias federais. Não tem uma entrada pra dentro da cidade do Rio que seja uma rodovia estadual. Se nós não tivéssemos o que a gente tem hoje, o que o presidente Michel Temer (PMDB) colocou aqui, com 380 policiais rodoviários federais, com a Polícia Federal, com a inteligência e disponibilidade das Forças Armadas em nos ajudar, nós não teríamos condições de combater como estamos combatendo”, disse Pezão. “Nós estamos combatendo fuzil, que é arma de guerra. O Rio não tem fábrica de fuzil. Esses fuzis entraram ao longo do tempo por essas rodovias totalmente abandonadas.”

++ Disque Denúncia aumenta recompensa por Rogério 157

O governador também anunciou que enviará um projeto de lei à Alerj para a criação de um fundo voltado à segurança pública. “Vamos enviar à Assembleia Legislativa na segunda-feira um projeto onde a gente destina 5% dos royalties do petróleo do pré-sal para um fundo de segurança e também para equipar melhor a polícia e dar condições melhores aos policiais”, declarou. “Uma parte desses recursos, entre 20% e 25%, serão para ações sociais dentro das comunidades.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.