Silvia Izquierdo/AP
Silvia Izquierdo/AP

PF apura tentativa de obstrução em investigação de Caso Marielle

Operação põe em dúvida principal hipótese da Polícia Civil do Rio para o crime, que completa um ano no próximo dia 14

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2019 | 23h09

RIO - Uma operação da Polícia Federal deflagrada nesta quinta-feira, 21, no Rio para cumprir oito mandados de busca e apreensão colocou sob dúvida a principal linha de investigação da Polícia Civil para o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. A ação apura supostas tentativas de obstrução das investigações do crime – que completa um ano no dia 14. Também dá evidência a outra hipótese para o homicídio, envolvendo políticos da Assembleia Legislativa – ainda sem detalhamento. 

A PF não divulgou o nome das oito pessoas que foram alvo dos mandados. Segundo a TV Globo, porém, uma das buscas e apreensões ocorreu na casa do ex-deputado estadual e conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado do Rio Domingos Brazão. Outras duas teriam ocorrido nas casas do delegado da Polícia Federal Hélio Kristian de Almeida e do ex-agente da PF Gilberto Ribeiro da Costa. Os dois têm estreitas ligações com Brazão, segundo policiais. 

Outro alvo da ação desta quinta foi o policial militar ouvido na investigação da Polícia Civil como testemunha-chave do caso. Esse PM apontou Orlando Araújo, o Orlando de Curicica (acusado de ser miliciano e preso no Rio Grande do Norte), e o vereador no Rio Marcello Siciliano (PHS) como envolvidos na morte de Marielle e Anderson. 

Siciliano e Curicica sempre negaram participação na morte da vereadora. O Estado não conseguiu localizar nesta quinta os investigados na operação. 

A PF começou sua apuração em novembro, depois de receber denúncias de que agentes do Estado teriam agido para prejudicar as investigações do caso, a cargo da Delegacia de Homicídios da capital, da Polícia Civil. A entrada da PF no caso foi determinada pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge. 

Grilagem

Em dezembro, o general Richard Nunes, então secretário de Segurança Pública do Rio, disse ao Estado que Marielle havia sido morta porque milicianos acreditaram que ela poderia atrapalhar negócios ligados à grilagem de terras na zona oeste do Rio. Segundo ele, o crime foi planejado desde 2017. 

Colegas de Marielle sempre disseram estranhar a hipótese para o crime investigada pela polícia, pois, segundo eles, a vereadora não tinha atuação nessas disputas localizadas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.