FABIO MOTTA /Estadão
FABIO MOTTA /Estadão

PF pede quebra de sigilo bancário, telefônico e fiscal do prefeito de Itaguaí

Tucano Luciano Mota é acusado de desviar de R$ 10 milhões a R$ 15 milhões por mês do orçamento da cidade, de 117 mil habitantes

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

22 Dezembro 2014 | 19h52

RIO - A Polícia Federal pediu a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico do prefeito de Itaguaí, Luciano Mota (PSDB), acusado de desviar entre R$ 10 milhões e R$ 15 milhões mensalmente do orçamento da cidade. As verbas seriam provenientes do Sistema Único de Saúde e dos royalties do Petróleo. Itaguaí é uma cidade de 117 mil habitantes, na região metropolitana, com orçamento mensal de R$ 55 milhões.

Na quinta-feira, 18, agentes da PF apreenderam uma Ferrari amarela, modelo 458, avaliada em R$ 1,2 milhão, uma caminhonete Range Rover, de R$ 600 mil, usadas pelo prefeito em seus deslocamentos, segundo as investigações, além de 10 ternos Hugo Boss, comprados por R$ 45 mil, e uma tevê de 85 polegadas, de R$ 99 mil. Também foram apreendidos computadores e documentos. O delegado da PF, Hylton Coelho, que está à frente das investigações, pediu reforço de técnicos da Corregedoria-Geral da União e do Ministério da Saúde para analisar as informações.

“Há várias frentes de sangria. Itaguaí tem um orçamento mensal de R$ 55 milhões e a quadrilha desviava cerca de 20% desse total. Entre os documentos que encontramos estão 13 pastas com planilhas de pagamento de funcionários fantasmas. São assessores contratados por vereadores por salários de até R$ 7 mil, mas que recebiam uma pequena parcela. Só aí, o desvio era de R$ 1 milhão mensal”, afirmou Coelho.

De acordo com as investigações, o primeiro contrato suspeito foi firmado logo nos primeiros dias do governo de Mota, com uma empresa de limpeza urbana. A prefeitura paga R$ 2,7 milhões pela coleta seletiva, mas esse serviço não é realizado na cidade. Coelho também investiga o pagamento de R$ 7 milhões ao ano pelo aluguel de 187 carros modelo Jeta, mas apenas 12 veículos eram usados. Também há denúncias de desvio em obras e reformas de postos de saúde.

Dois secretários (Amaro Gagliarda, de Assuntos Extraordinários, e Ricardo Soares, de Turismo) prestaram depoimento e foram indiciados pelos crimes de desvio de dinheiro público, fraude em licitação, formação de quadrilha e crime ambiental.

O prefeito Luciano Mota, de 32 anos, não foi encontrado. “Expedimos mandado de condução coercitiva, mas ele não foi localizado, nem mandou advogado à delegacia. E desde quinta-feira, não foi mais visto na cidade”, afirmou o delegado. Mota não é considerado foragido. “Ele será intimado para prestar depoimento depois que todos os documentos forem analisados”, afirmou Coelho. De acordo com o delegado, o prefeito não tem nenhum bem em seu nome. Coelho pretende pedir ainda a apreensão de um helicóptero usado por Mota em seus deslocamentos. 

Mais conteúdo sobre:
Itaguaí Luciano Mota

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.