Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Operação do Plano Inclinado da Glória fica incerta na semana que vem

Contrato de empresa com Prefeitura do Rio não deve ser renovado; administração municipal garante que serviço continuará funcionando

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

10 Agosto 2018 | 14h55
Atualizado 10 Agosto 2018 | 16h35

RIO - Em um  dos raros locais da região central do Rio onde ainda impera o silêncio, dois elevadores num plano inclinado fazem um vaivém intenso durante todo o dia. Eles são um meio de transporte importante para quem quer subir da Rua do Russel à Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, uma das mais antigas da cidade e que fica no alto do morro. Mas o serviço gratuito de transporte corre o risco de parar.

O contrato da prefeitura do Rio com a empresa que opera o serviço está terminando e corre o risco de não ser renovado. O mesmo vale para o serviço no plano inclinado que leva à Igreja Nossa Senhora da Penna, na Freguesia, na zona oeste da cidade.

“A gente só sabe que o contrato acabou, e vamos ter que sair”, lamenta a ascensorista Mônica Araújo, 50 anos, que há seis trabalha de terça a domingo em um dos elevadores na Glória. “Fiquei sabendo no comecinho do mês. Vou fazer o quê? Vou ter que procurar outro emprego. Com a crise que tem agora, fácil não vai ser.”

A movimentação na tarde de ontem era pequena, mas segundo Mônica o problema maior será visto nos fins de semana.

“O fechamento é um absurdo. Aqui vem muitos turistas na época de férias, no carnaval, mas é mais para os idosos, que vêm à missa aos domingos”, diz a ascensorista, que cumpre aviso prévio. “Eles não têm condições de subir a ladeira ou a escada a pé.”

Além da igreja, a região tem alguns poucos prédios que ladeiam uma rua estreita e pacata. Em alguns dos pontos, é possível vislumbrar com tranquilidade a Baía de Guanabara, motivo que faz do morro também um atrativo aos turistas que descobrem o local.

“Morei por anos na Rua do Russel e não conhecia. Fui descobrir depois de um tempo”, conta a estudante de Turismo Laura Alves Fulop, de 19 anos. Ela usou na quinta, 9, o elevador do plano inclinado para apresentar a região à colega Elaine Hailer, que tem a mesma idade. Não sabia que o elevador corre o risco de ficar parado a partir da próxima semana. “É um meio de transporte importante e acho essencial. Deveria inclusive ser mais divulgado. Olha a vista, é maravilhosa!”

Rioluz nega fechamento do plano inclinado da Glória

Ao Estado, a Rioluz, órgão da prefeitura responsável pelos cinco planos inclinados espalhados pela cidade, não confirmou o fechamento – tampouco assegurou que o local permanecerá aberto. Segundo a Rioluz, os contratos estão “em fase de reavaliação”. Ainda segundo o órgão, o plano inclinado que atende à favela Pavão-Pavãozinho, na zona sul, está parado por problemas técnicos e deveria voltar a operar nesta sexta-feira, 10. Há equipamentos ainda no morro Dona Marta, também na zona sul, e na Igreja da Penha, na zona norte da cidade.

A prefeitura do Rio se manifestou por meio de nota:

“A Prefeitura do Rio informa que os contratos de prestação de serviços de manutenção e operação dos planos inclinados, que dão acesso às igrejas do Outeiro da Glória, na Zona Sul, e Nossa Senhora da Penna, em Jacarepaguá, estão em fase de reavaliação, porém, não foram rescindidos. Os serviços continuam sendo executados de maneira regular.”

“A Rioluz, órgão que gere os contratos dos planos inclinados na cidade, informa  ainda que o plano que atende a comunidade Pavão-Pavãozinho voltou a funcionar. Os equipamentos do Dona Marta e da Igreja da Penha estão funcionando normalmente.”

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro [cidade RJ]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.