REUTERS/Ricardo Moraes
REUTERS/Ricardo Moraes

PM afasta 12 policiais envolvidos em ação que terminou em morte de grávida no Rio

Kathlen Romeu, de 24 anos, foi morta por um tiro de fuzil no fim da tarde de terça-feira, 8

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

11 de junho de 2021 | 15h02
Atualizado 11 de junho de 2021 | 17h34

RIO - A Polícia Militar do Rio afastou 12 policiais que atuaram na ação que terminou com a morte da jovem grávida Kathlen Romeu, de 24 anos, do serviço das ruas. Os PMs tiveram suas armas recolhidas para perícia - ao todo, 21 armas foram recolhidas.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital, que nesta sexta-feira, 11, ouve o depoimento da avó de Kathlen, Sayonara Fátima de Oliveira. Ela estava junto com a jovem no momento em que Kathlen foi atingida, no fim da tarde de terça, 8.

No momento em que foi baleada, segundo informou a PM, policiais militares trocavam tiros com criminosos no Complexo do Lins, na zona norte do Rio. A jovem foi encontrada logo depois, com uma perfuração no tórax. Laudo do IML apontou que ela foi atingida por um tiro de fuzil.

Kathlen Romeu estava grávida de quatro meses. Ela havia se mudado do Lins há cerca de um mês, e estava na comunidade visitando familiares. De acordo com o pai da jovem, Luciano Gonçalves, a mudança havia ocorrido justamente para escapar da violência no local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.