PM apura envolvimento de agentes em esquema de propina de Playboy

A corporação não informou quantos policiais são investigados; uma investigação paralela do Ministério Público também corre em sigilo

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

10 Agosto 2015 | 12h39

RIO - A corregedoria interna da Polícia Militar instaurou um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar o envolvimento de policiais militares em um esquema de propinas pagas pelo traficante Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy. 

A corporação não informou quantos agentes são investigados. Uma investigação paralela do Ministério Público - apurada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) - também corre em sigilo. 

Em entrevista à revista Veja em fevereiro deste ano, Playboy afirmou que conseguiu escapar de uma prisão no fim de 2014 pagando R$ 648 mil aos policiais envolvidos. Teria entregue ainda dois fuzis AK-47 e correntes de ouro, em um total de 4,5 quilos, aos agentes. 

Em outro momento, teria desembolsado R$ 400 mil para livrar outro traficante da prisão. Segundo a publicação, as propinas mensais para que Playboy permanecesse em paz na favela seriam de R$ 100 mil. 

O criminoso foi morto no sábado, 10, no Morro da Pedreira, em Costa Barros, na zona norte, em operação conjunta da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil, da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE) da Polícia Federal e do serviço de inteligência da Polícia Militar (PM). Ele tinha 33 anos e era um dos criminosos mais procurados do País. Contra ele, havia mandados de prisão cujas penas somavam mais de 15 anos.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Violência Playboy

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.