Estadão
Estadão

PM confunde macaco hidráulico com arma, atira e mata 2 no Rio

Sargento disparou em piloto de uma moto, que perdeu o controle e bateu contra um muro, o que levou à morte do outro ocupante

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

29 Outubro 2015 | 22h25

RIO - Um homem trafegava pela Pavuna, na zona norte do Rio, na garupa de uma moto, segurando um macaco hidráulico, quando se deparou com policiais militares em ronda de rotina, na tarde desta quinta-feira, 29. Um sargento que estava na viatura confundiu o objeto com uma arma e atirou contra o rapaz. O piloto perdeu o controle da moto, que bateu contra um muro. Os dois ocupantes morreram.

Segundo depoimentos postados em redes sociais, os dois rapazes - um deles identificado apenas como Tiago e o outro conhecido pelo apelido de Franguinho - trabalhavam como mototaxistas e tinham ido levar o macaco hidráulico, usado para erguer automóveis, a um amigo cujo carro havia apresentado um defeito mecânico.

A abordagem policial ocorreu na Rua Doutor José Thomas. Segundo a Polícia Civil, o sargento admitiu ter confundido o objeto com uma arma, durante depoimento prestado na 39ª DP (Pavuna). O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios do Rio.

Após o episódio houve um protesto de moradores na Avenida Automóvel Clube. Cerca de dez pessoas com os rostos cobertos por camisetas interceptaram um ônibus da linha 372 (Pavuna-Passeio), ordenaram que passageiros e motorista descessem e atearam fogo ao veículo.

Policiais militares conseguiram apagar o fogo, mas o ônibus ficou bastante danificado.

Até as 22 horas desta quinta não havia detalhes sobre a abordagem da polícia aos motociclistas nem a identificação completa dos dois mortos.

Mais conteúdo sobre:
Rio Polícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.