AFP
AFP

PM do Alemão suspeito de ter atirado contra menino vai depor na 2ª

Apenas dois soldados admitiram à Polícia Civil que atiraram durante a ação que matou Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

10 de abril de 2015 | 15h30

RIO - Esperado desde quinta-feira, 9, na Delegacia de Homicídios (DH), o policial militar da UPP do Alemão que está de licença médica e admitiu que pode ter atirado no menino Eduardo de Jesus Ferreira, de 10 anos, só vai prestar segundo depoimento à especializada na segunda-feira, disse seu advogado, Rafael Abreu Calheiros. Neste dia, ele passará por reavaliação de médicos da PM.

Calheiros defende também os outros três soldados da UPP do Alemão que encabeçavam um grupo de PMs que avançava pela comunidade do Areal, onde Eduardo foi morto. O grupamento era integrado por mais oito PMs do Batalhão de Choque. De acordo com o advogado, esses três clientes já foram ouvidos pela segunda vez por investigadores da DH. Todos eles estão afastados de seus cargos.


Apenas dois soldados admitiram à Polícia Civil que atiraram durante a ação. Segundo o advogado, foram três os disparos na ação. O último deles teria sido o único efetuado pelo PM cujo depoimento ainda é aguardado. "Eu já me comprometi com o doutor Rivaldo (Barbosa, titular da Homicídios). Assim que ele fizer a reavaliação na segunda-feira e for liberado, ele vai prestar depoimento", afirmou Calheiros. 

Calheiros negou que o soldado já tenha prestado depoimento a investigadores da própria Polícia Militar. Disse ainda que cápsulas de projéteis presentes no local do crime não foram levadas por PMs, como teria sido relatado por moradores. A defesa reforçou também que havia enfrentamento com bandidos quando Eduardo foi morto. 

Tudo o que sabemos sobre:
Complexo do AlemãoRio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.