PM do Rio mata dois por dia, diz relatório da Anistia Internacional

PM do Rio mata dois por dia, diz relatório da Anistia Internacional

No registro, mortes constam como ‘auto de resistência’; estudo realizado pela ONG aponta 8.466 vítimas de 2005 a 2014

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

03 Agosto 2015 | 00h00

Nos últimos dez anos, de 2005 a 2014, a Polícia Militar do Rio matou, em média, duas pessoas por dia, em registros denominados “autos de resistência”, ou seja, homicídios cometidos por policiais teoricamente em situação de defesa. A Anistia Internacional identificou, em uma pesquisa exclusiva que divulga hoje, 8.466 ocorrências desse tipo no período pesquisado. 

A capital fluminense concentrou o maior número de casos ao longo do período, 5.132, mais do que o dobro da Baixada Fluminense (com 2.070) e quase quatro vezes a soma de todo o resto do Estado (1.264). 

O relatório Você Matou Meu Filho – Homicídios Cometidos pela Polícia Militar na Cidade do Rio de Janeiro analisou ainda casos que aconteceram entre 2010 e 2013 para traçar um perfil dos mortos pela PM. 

Das 1.275 vítimas de homicídio decorrente de intervenção policial entre 2010 e 2013 na capital, 99,5% eram homens, 79%, negros e 75% tinham entre 15 e 29 anos. Em 2014, quando houve 244 mortes por ação da PM apenas na cidade do Rio, os autos de resistência representaram 15,55% de todos os assassinatos da capital. 

“A gente não deve desconsiderar que a política de guerra às drogas de fato coloca o policial em uma situação de estresse permanente e de risco maior, o que leva a uma situação de confronto. As condições de trabalho e a vida de todas as pessoas, até mesmo dos policiais, não devem ser relativizadas em hipótese nenhuma, mas ao Estado cabe a preservação da vida e do Estado de Direito”, disse o diretor executivo da Anistia Internacional, Atila Roque. 

Tomando como referência inquéritos policiais realizados em 2011, a Anistia também detectou que há falta de investigação dos registros de mortes por intervenção policial. Até 2015, entre todos os 211 registros da cidade do Rio, apenas um resultou em uma denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) contra o policial autor do homicídio. Um total de 183 investigações permaneciam em aberto mesmo após quatro anos. 

Investigações.No relatório, a Anistia considerou que há um “amplo contexto de impunidade” que dificulta a apuração desses casos. A ONG observou também que o termo “auto de resistência” vicia a investigação, levando a pressupor que um agente do Estado tenha agido contra um criminoso. Em quatro dos dez casos ocorridos em 2014 na comunidade de Acari, na zona norte, os assassinados estavam já feridos ou rendidos. Em outros quatro casos, foram baleados sem aviso. Em um último, a vítima fugia da polícia quando foi baleada. 

Segundo o documento, nos casos em que a vítima aparece como relacionada ao tráfico de drogas nos registros da polícia, a investigação se limita a referendar o depoimento dos policiais, presumindo que a morte aconteceu em legítima defesa, sem fazer menção a uso de força desproporcional. “Todo o processo busca conferir legitimidade a esse homicídio, supostamente praticado por justa motivação e necessidade”, disse. 

Por isso, a ONG recomenda que todos os homicídios sejam investigados pela Divisão de Homicídios, mesmo quando ocorridos por intervenção policial. A Anistia demanda ainda que haja protocolos rígidos de ação dos PMs e a suspensão de atividades de policiais envolvidos em mortes. Já ao Congresso Nacional pede a aprovação do Projeto de Lei 4.471/2012, que cria procedimentos para garantir a investigação adequada de crimes de morte violenta por ações de agentes do Estado. 

Detalhes. No relatório, pesquisadores da Anistia Internacional, com base em entrevistas com moradores de comunidades, delegados, defensores públicos, especialistas e promotores, dão detalhes de como são forjadas as cenas de homicídios cometidos por policiais em favelas cariocas. 

O documento identificou, por exemplo, a prática do chamado “kit auto de resistência”. “Trata-se de uma ‘arma fria’ (não oficial), chamada de ‘vela’, que seria colocada no local do crime nos casos em que for preciso justificar a ação policial. (...) Outra prática compartilhada informalmente dentro das corporações consiste em esconder um cadáver colocando pedras e entulhos dentro do abdome para o corpo não boiar e, assim, desaparecer quando jogado no mar ou em um rio”, descreveu a pesquisa. 

Na Favela de Acari, na zona norte do Rio, onde foi feita a maioria do trabalho de campo que deu origem ao relatório, moradores descreveram, em entrevistas, uma estratégia chamada “Troia”, adotada por PMs em operações, que consiste em usar a casa de um morador para armar uma emboscada para a execução de uma pessoa específica sem correr muitos riscos. 

“Muitas vezes, os agentes entram na favela durante uma operação e se escondem por muitas horas, mesmo depois da incursão ter acabado. Em alguns casos, os policiais chamam o ‘caveirão’ para buscá-los e retirá-los do local. Essa é uma tática muito conhecida e usada, especialmente pela Polícia Militar, cujo nome é inspirado na história do Cavalo de Troia”, explicou relatório.

A falta de socorro quando alguém é baleado e a invasão das casas de moradores das comunidades sem mandado judicial que permita tal ação também foram queixas apresentadas. “A polícia é vista muitas vezes de forma análoga ao crime organizado. Evidente que a confiança da população cai”, declarou Roque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.