PMERJ
PMERJ

PM do Rio mata seis suspeitos em ação na Baixada Fluminense

Outros três homens foram feridos e presos, na operação que apreendeu fuzis, pistolas e granadas; ONG de direitos humanos diz que mais de 20 foram mortos, alguns já rendidos

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2022 | 20h53

RIO - Pelo menos seis pessoas foram mortas pela Polícia Militar do Rio em operação realizada na manhã desta quinta-feira, 3, em uma favela de Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Uma entidade de direitos humanos afirma que, segundo moradores, “quase 20 pessoas” foram mortas na ação. Oficialmente, estão confirmados seis mortes e três suspeitos feridos e presos, em um confronto entre policiais militares e criminosos.

Segundo nota da Polícia Militar, agentes do 39º Batalhão (Belford Roxo), com apoio de equipes do 3º Comando de Policiamento de Área, fizeram uma operação na favela Parque Floresta. O objetivo, de acordo  com o texto, era coibir ações criminosas e intervir em uma disputa entre quadrilhas rivais. “As equipes foram atacadas a tiros por criminosos e houve confronto”, afirma a nota.

Nove suspeitos foram feridos, detidos e levados ao Hospital de Belford Roxo. Lá, seis morreram, de acordo com a corporação. Todos eram criminosos, diz a PM. Os três feridos estão internados, sob custódia da polícia.

A PM informou que um policial militar também foi ferido, no braço. Ele foi socorrido ao hospital estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias (Baixada Fluminense). Já recebeu alta.

Além dos três feridos sob custódia, outros sete suspeitos foram presos. Os policiais apreenderam oito fuzis, cinco pistolas, cinco granadas, um kit Roni (equipamento que transforma o disparo da pistola em rajada) e drogas em quantidade não informada até a publicação desta reportagem. No início da noite, o policiamento continuava reforçado na área. O caso foi registrado na 54ª DP (Belford Roxo).

Belford Roxo assiste mais uma chacina produzida pelo Estado, diz ONG de direitos humanos

A Iniciativa Direito à Memória e Justiça Racial (IDMJR), entidade de direitos humanos que atua na Baixada Fluminense, afirmou ter recebido dezenas de relatos de moradores. Segundo essas informações, os policiais militares teriam executado pessoas rendidas dentro das próprias casas.

“Moradores e moradoras de Belford Roxo nos enviaram inúmeras denúncias de que a Polícia Militar barbarizou nas comunidades da Caixa d’Água e Vila Pauline (bairros vizinhos ao Parque Floresta)”, diz texto divulgado pela entidade. “Segundo os relatos, somente na Vila Pauline, são quase 20 pessoas assassinadas. Estamos assistindo a mais uma chacina produzida pelo Estado em Belford Roxo”, segue o texto. A entidade também divulgou vídeos gravados pelos moradores.

A IDMJR informou ter denunciado o caso ao Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ). Também afirmou ter sido informada de que o órgão acompanha o caso, para eventuais providências.

Tudo o que sabemos sobre:
Belford Roxo [RJ]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.