Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Policial militar é atingido durante confronto no Alemão

Protegido com colete à prova de balas, soldado teve luxação no tórax; região vive rotina de tiroteios desde a semana passada

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

06 de julho de 2015 | 09h29

RIO - Um policial militar lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Fazendinha, no Complexo do Alemão, zona norte do Rio de Janeiro, foi atingido por um tiro durante confronto com traficantes na noite deste domingo. Desde o fim da semana passada, a região revive uma rotina de tiroteios intensos. A bala ficou alojada no colete à prova de balas do soldado, que acabou tendo apenas uma luxação no tórax. Ninguém foi preso na ação. 

O fim de semana foi de muitos tiros em comunidades com UPPs. No próprio Complexo do Alemão, policiais que faziam  patrulhamento no Largo do Bulufa foram alvo de bandidos por volta das 8h, informou a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP). Outras UPPs do complexo enviaram reforços para o local e houve troca de tiros. Ninguém foi preso e não há informações de feridos. Durante toda a manhã, moradores de diversas localidades do complexo relataram pânico nas redes sociais com os intensos tiroteios. 

Na comunidade Parque Proletário, no Complexo da Penha, também na zona norte, os tiros também provocaram medo entre moradores. Uma equipe da UPP da comunidade Parque Proletário foi atacada por criminosos na Rua Laudelino Freire e houve confronto. Os agentes pediram reforço das UPPs da Chatuba e de Vila Cruzeiro. Buscas estão sendo realizadas pela região para localizar os autores dos disparos. Não há registros de feridos. 

A última ocorrência aconteceu na UPP Macacos, em Vila Isabel, também na zona norte. Uma base avançada da UPP instalada em um contêiner na localidade do Cruzeiro e uma viatura da Polícia Militar foram baleadas. Segundo o comando da UPP o policiamento foi intensificado e estão sendo realizadas buscas na região. Também não há notícia de feridos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.