Estadão
Estadão

PM é hostilizada ao pedir desculpas em enterro no Rio

Jovens foram atingidos por tiro de fuzil disparado por um sargento da Polícia Militar que confundiu macaco hidráulico com uma arma

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

30 Outubro 2015 | 22h02

Aos gritos de “assassinos”, familiares de Jorge Lucas Martins Paes, de 17 anos, hostilizaram os policiais militares que foram nesta sexta-feira, 30, ao enterro do jovem pedir desculpas à família do rapaz. Paes foi morto ao lado do mototaxista Thiago Guimarães Dingo, de 24. Ambos foram atingido por um tiro de fuzil disparado por um sargento da Polícia Militar do Rio que confundiu o macaco hidráulico que Paes segurava com uma arma.

Paes foi enterrado no cemitério de Inhaúma, na zona norte. “Um militar veio pedir desculpas em nome da equipe e eu falei: ‘Amigo, não me leve a mal, não, mas eu não vou aceitar a sua desculpa. Não vou aceitar. Ele vai voltar? A punição do seu amigo, qual vai ser? Vai ficar preso um, dois, três, quatro meses, mas e depois?’”, falou o pai de Dingo, Gilberto Lacerda.

“Uma pessoa que é orientada não tem como confundir. Isso aqui é um microfone, não é um revólver”, disse Rita Luziê, mãe do adolescente, referindo-se ao aparelho usado por jornalistas.

A Delegacia de Homicídios (DH) do Rio investiga o caso. Segundo a Polícia Civil, às 17 horas de quinta, a Kombi de um amigo da dupla teve um problema mecânico. Esse rapaz ligou para Dingo, a quem pediu que levasse um macaco até o lugar em que a perua havia quebrado, na Pavuna (zona norte). Dingo chamou Paes para irem ao local de motocicleta.

Na garupa, Paes carregava o equipamento. Na Rua Doutor José Thomas, uma equipe de PMs do 41.º Batalhão realizava uma blitz. O sargento confundiu o macaco com uma arma e disparou um tiro de fuzil. A bala atingiu Paes, transfixou seu corpo e feriu o amigo, que perdeu o controle da moto. A seguir, o veículo bateu em um muro. Em depoimento, o sargento admitiu o erro. O comandante do Batalhão do Irajá, coronel Marcos Netto, admitiu ao site G1 que o sargento errou ao atirar.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.