PM e MP do Rio fazem operação contra facção suspeita de elo com PCC

Dos 44 mandados de prisão preventiva, 20 foram cumpridos - outros 4 homens foram detidos em flagrante, e 15 já estavam presos

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

30 Outubro 2014 | 08h30

Atualizada às 19h36

RIO - Um grupo de traficantes que comprava drogas no Rio e revendia no Sul Fluminense foi alvo nesta quinta-feira, 30, de operação conjunta do Ministério Público do Rio (MP-RJ) e da Polícia Militar, que prendeu 24 pessoas por tráfico de
drogas. Dos 44 mandados de prisão preventiva expedidos pela Justiça, 20 foram cumpridos - outros quatro homens foram detidos em flagrante, e 15 já estavam presos. Com isso, nove pessoas ainda estão foragidas. Entre os presos havia um policial militar.

O grupo agia principalmente em Valença, no Sul Fluminense. Segundo a denúncia do MP-RJ, a quadrilha “recrutava” pessoas para vir ao Rio, em Acari, na Zona Norte da cidade, onde as drogas eram compradas e depois revendidas no interior. O PM preso, Vinícius Taurian Gasiglia Palmeira, prestava serviços para a quadrilha e era lotado no batalhão de Valença. 

O grupo faz parte da facção fluminense Terceiro Comando Puro, uma dissidência do Terceiro Comando, facção que perdeu força no Rio nas últimas décadas, até praticamente se extinguir nos anos 2000.

A quadrilha, de acordo com a denúncia, teria ligação com o Primeiro Comando da Capital (PCC). A conexão, entretanto, é citada no documento apenas como uma “possível parceria” apontada pelo serviço de Inteligência.

Participaram da “Operação Conexão Coroados” 620 policiais militares e 80 agentes da Coordenadoria de Segurança e Inteligência do MP-RJ. A operação foi realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP-RJ e a Coordenadoria de Inteligência da PM. Apesar da quantidade de agentes e de prisões, a apreensão não foi grande: somente duas armas (um revólver e uma pistola), munição e 16 "sacolés" de cocaína, além de quantidade não revelada de dinheiro.

Outra quantidade de maconha e droga, segundo o MP-RJ, já havia sido apreendida durante as investigações que levaram à operação. 

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro PCC TCP Valença

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.