PM faz megaoperação nas favelas do Complexo do Alemão

Os principais acessos às comunidades, especialmente nas consideradas mais violentas, como a Nova Brasília, estão cercados

Tiago Rogero e Sérgio Torres, O Estado de S. Paulo

16 de julho de 2014 | 07h19

Atualizado às 9h

RIO - Cerca de 500 policiais militares de diversas unidades realizam desde as 4h30 desta quarta-feira, 16, uma megaoperação nas favelas que integram o Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro. A ação é de "cerco e varredura", segundo a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP). 

O clima nas comunidades, ocupadas desde 2010 pelas forças de segurança - primeiro pelo Exército e depois pela  Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) -, tem sido de tensão nas últimas semanas. Desde o início do ano, pelo menos cinco PMs morreram na região do complexo.

Ainda não há informações sobre feridos ou apreensões. A CPP informou que o balanço será dado somente ao fim da operação. Os principais acessos às comunidades, especialmente nas consideradas mais violentas, como a Nova Brasília, estão cercados. Pessoas que saem e que chegam, além de carros e vans, estão sendo revistadas.

Participam da operação, segundo a CPP, além do efetivo de diversas UPPs, policiais vinculados ao Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), Batalhão de Ações com Cães (BAC), Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque) e o Grupamento Aeromóvel (GAM), que auxilia com o apoio de uma aeronave.

Preso. Em outro ponto da zona norte, policiais da UPP prenderam no início da manhã desta quarta-feira Carlos Eduardo Serpa Monteiro, suspeito de ser o "responsável pelo tráfico de drogas" na Favela da Light, na Vila Kennedy, comunidade que fica próxima a Bangu. De acordo com a CPP, o homem havia fugido do Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, pela tubulação de esgoto.

Ele vinha sendo monitorado pelo Centro de Inteligência da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) e foi preso em casa. Foi apreendida com ele uma carteira de identidade falsa e o suspeito foi levado à 34ª Delegacia de Polícia, em Bangu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.