PM pode ter confundido skate com arma ao atirar em jovem no Rio

Policial disparou após ter recebido alerta de que havia um grupo de traficantes em uma área de mata na favela Chácara do Céu

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

05 Novembro 2015 | 16h50

RIO - Uma semana após um policial militar ter matado dois homens depois de confundir o macaco hidráulico que eles transportavam com uma arma, outro PM é suspeito de ter atirado contra um adolescente ao confundir o skate dele com uma arma, no Leblon (zona sul).

O caso ocorreu há um mês e foi divulgado nesta quinta-feira, 5, pelo jornal RJTV, da TV Globo. Segundo o boletim de ocorrência registrado na 15ª DP (Leblon), quatro adolescentes moradores do Leblon e da Barra (zona oeste) compraram maconha na praia de Ipanema (zona sul) e foram até uma área de mata na favela Chácara do Céu, no Leblon.

Por volta das 17h30, dois policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Vidigal, que estavam em patrulhamento de rotina, foram avisados por um desconhecido que em um trecho de mata da favela Chácara do Céu, policiada por essa UPP, havia um grupo de traficantes.

A caminho do local, os policiais ouviram vozes de pessoas que estavam no matagal.

Quando chegaram aos quatro jovens, um deles, que estava com um skate, fez um movimento brusco e o policial militar Wanderley Siuves da Silva atirou com sua pistola ponto 40, atingindo seu braço direito.

O adolescente foi levado para o Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon (zona sul), onde recebeu atendimento. Ele já recebeu alta e passa bem.

Em depoimento na 15ª DP, o policial afirmou que esse rapaz, ao ser abordado, abaixou-se fazendo menção de pegar algo. O PM temeu tratar-se de uma arma e atirou.

Dois dos outros adolescentes confirmaram que o amigo fez um movimento brusco, mas afirmaram que todos estavam com os braços levantados e rendidos, por isso não haveria razão para atirar. O caso está sendo investigado. A arma do policial foi apreendida e os dois PMs estão afastados do patrulhamento na rua.

O policial que atirou pode ser indiciado por lesão corporal.

Mais conteúdo sobre:
Violência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.