PM que liderava esquema de corrupção no Rio foi eleito melhor policial do ano

André Luiz de Oliveira, o 'sobrancelhudo', tinha fama de agir com pulso firme e ser temido pelos criminosos

Lucas Gayoso, Especial para O Estado

30 de junho de 2017 | 18h30

RIO - Os 96 PMs investigados em uma megaoperação em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, somam 250 autos de resistência, ou seja, quando o policial mata um suspeito alegando estar em legítima defesa. De acordo com informações da Polícia Civil, o número é considerado acima da média em comparação a outros batalhões do Estado. 

O sargento da PM André Luiz de Oliveira, que era tratado pelos traficantes como Sobrancelhudo, participava do grupo que mais lucrava com as propinas e, segundo o delegado Amin, tinha fama de agir com pulso firme e de ser temido pelos criminosos. As informações que vieram à tona contrastam com a imagem de bom policial que ele havia forjado. Em 2015, foi eleito pela corporação como melhor policial do ano.

"A palavra que vem à cabeça é decepção. Ele tinha uma imagem de ser um policial combativo. Na verdade, isso era uma máscara, foi montado todo um cenário para acobertar os desvios", disse.

Sobrancelhudo chegava a fazer cobranças individuais, onde arrecadava R$ 1 mil por semana. O dinheiro era entregue em locais diversos como padarias, na frente de viadutos, dentro do batalhão, escondido em copos de refresco.

Quando faltava propina, policiais diversificavam as modalidades de crime. Por três vezes no período de investigação, eles sequestraram traficantes que não conseguiram arrecadar o valor combinado. Eles também revendiam armas e drogas apreendidas para a facção criminosa Comando Vermelho. Os suspeitos ainda forjavam apreensões em comunidades da região metropolitana e na zona oeste. 

Os agentes foram flagrados, em uma das 220 mil escutas, tomando um ponto de venda de drogas de traficantes. Eles chegaram a anunciar uma promoção para arrecadar o máximo de dinheiro possível com a venda das drogas disponível no local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.