Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

PMs que fazem escolta de Marcelo Freixo são chamados de volta, mas Jungmann nega retorno

Dois policiais que trabalham com o deputado, ameaçado de morte, estão entre os 87 requeridos para reforço do policiamento; à tarde, porém, o ministro da Segurança Pública disse que PMs poderão permanecer com o parlamentar

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

16 Abril 2018 | 14h47

RIO - A Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro requereu  o retorno de 87 policiais militares que estavam cedidos à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Dentre os PMs, estão dois homens que fazem a escolta pessoal do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL).

O deputado é ameaçado de morte há dez anos depois de ter presidido a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Milícias, pela qual foram indiciadas mais de 200 pessoas e que resultou na prisão de líderes miliciados, o que lhe rende ameaças até hoje. À tarde, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou que 40% do efetivo à disposição da Alerj será mantido - o que incluiriam os agentes de Freixo.

Antes da manifestação de JUngmann, Freixo afirmou que iria se reunir na tarde desta segunda-feira, 16, com o secretário de Segurança, General Richard Nunes, para tratar do assunto. “Não é possível que haja polêmica sobre isso. Tenho certeza de que o bom senso irá prevalecer. Depois de dez anos, adoraria viver sem segurança, ter minha vida normal restabelecida, mas não é o caso nesse momento, me parece óbvio“, afirmou o deputado. 

++++ Jungmann atribui execução de Marielle à atuação das milícias

Ele se refere à suspeita de que milicianos são responsáveis pelo assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), que trabalhou no seu gabinete desde a época da CPI. Marielle foi executada dia 14 de março. O motorista de seu carro, Anderson Gomes, também morreu. Essa linha de investigação é a principal até agora, confirmou nesta segunda-feira, 16, o ministro da Segurança pública, Raul Jungmann.

“A CPI das Milícias não foi brincadeira, não acabou em pizza. O que fizeram com a Marielle mostra que é muito sério o que estamos vivendo no Rio de Janeiro. O relatório da CPI é atual, as recomendações não foram seguidas”, afirmou o deputado. Freixo tem também seguranças de outras origens que não a PM.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.