Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Polícia Civil volta ao lugar onde Marielle e Anderson foram mortos

Ação no Estácio não foi uma reconstituição do crime; agentes querem esclarecer dúvidas que têm surgido durante as investigações

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2018 | 18h19

RIO - Policiais civis da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro estiveram nesta quarta-feira, 21, no local onde a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes foram assassinados na semanada passada. Eles fecharam uma das pistas da Rua Joaquim Palhares, no Estácio, região central da capital fluminense, e posicionaram uma viatura nos pontos onde o veículo estava quando os tiros foram disparados e onde o carro parou após Marielle e Anderson serem atingidos.

+++ Papa Francisco telefona para mãe de Marielle

Não se tratou de uma reconstituição do crime. Os agentes apenas esclareceram dúvidas que têm surgido com o decorrer das investigações, já que a região não é monitorada por câmeras de segurança. 

+++ 'PMERJ Presente': ato de PMs usará frase citada em manifestações por Marielle

A movimentação da polícia nesta quarta durou apenas alguns minutos, mas chamou a atenção de pessoas que trabalham na região. O local onde Marielle e Anderson foram mortos recebeu flores e tem mensagens em homenagem aos dois pintadas em um muro.

+++ VENCER LIMITES: Prezada juíza, não se mate, a senhora ainda tem muito para aprender

Antes de ir à Joaquim Palhares, os agentes da Delegacia de Homicídios também estiveram na Rua dos Inválidos, no centro, onde Marielle esteve pela última vez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.