Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Polícia Civil volta ao lugar onde Marielle e Anderson foram mortos

Ação no Estácio não foi uma reconstituição do crime; agentes querem esclarecer dúvidas que têm surgido durante as investigações

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

21 Março 2018 | 18h19

RIO - Policiais civis da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro estiveram nesta quarta-feira, 21, no local onde a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes foram assassinados na semanada passada. Eles fecharam uma das pistas da Rua Joaquim Palhares, no Estácio, região central da capital fluminense, e posicionaram uma viatura nos pontos onde o veículo estava quando os tiros foram disparados e onde o carro parou após Marielle e Anderson serem atingidos.

+++ Papa Francisco telefona para mãe de Marielle

Não se tratou de uma reconstituição do crime. Os agentes apenas esclareceram dúvidas que têm surgido com o decorrer das investigações, já que a região não é monitorada por câmeras de segurança. 

+++ 'PMERJ Presente': ato de PMs usará frase citada em manifestações por Marielle

A movimentação da polícia nesta quarta durou apenas alguns minutos, mas chamou a atenção de pessoas que trabalham na região. O local onde Marielle e Anderson foram mortos recebeu flores e tem mensagens em homenagem aos dois pintadas em um muro.

+++ VENCER LIMITES: Prezada juíza, não se mate, a senhora ainda tem muito para aprender

Antes de ir à Joaquim Palhares, os agentes da Delegacia de Homicídios também estiveram na Rua dos Inválidos, no centro, onde Marielle esteve pela última vez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.