TASSO MARCELO/AE
TASSO MARCELO/AE

Polícia conclui perícia do bonde que matou 5 em Santa Tereza

Relatório com causas do acidente deve ficar pronto antes do prazo legal

Alfredo Junqueira e Sérgio Torres,

28 Agosto 2011 | 13h47

A Polícia Civil do Rio de Janeiro concluiu a perícia do bonde que, neste sábado, 27, descarrilou e causou a morte de cinco pessoas e deixou outras 57 feridas em Santa Tereza, centro da cidade. O relatório com a conclusão das causas do acidente deve ser entregue antes do prazo legal de 30 dias.

Neste domingo, um grupo de 100 pessoas se reuniu para protestar contra o governador do Rio, Sérgio Cabral, e o secretário estadual dos transportes Júlio Lopes. Os manifestantes, que acompanham a remoção dos destroços dos veículos da rua, os responsabiliza pelo acidente.

Em carta aberta, a Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa (Amast) afirmou que o acidente com o bonde "não é uma fatalidade, mas uma tragédia anunciada". Divulgado no site da associação neste domingo, o texto aponta que o descarrilamento ocorreu devido a negligência do governo do Rio de Janeiro na manutenção dos veículos. Em tom de indignação, a carta lembra que outros acidente recentes, como a morte da professora Andréa de Jesus e do turista Francês Charles Damien, eram prenúncio da tragédia, e que não é possível aceitar "a classificação desse acidente como fatalidade". Segundo a associação, os "principais culpados" pelo ocorridos são as autoridades públicas. Fora dos trilhos.

O acidente ocorreu na tarde de sábado. Quando o bondinho descia a Rua Joaquim Murtinho, rumo aos Arcos da Lapa, descarrilou em uma curva acentuada à esquerda. De acordo com testemunhas, o veículo estava em alta velocidade, e a principal hipótese em análise pela perícia é que ele tenha perdido o freio.

Após deixar os trilhos, o bonde derrubou um poste de energia, atingiu um muro e capotou. Além do condutor, morreram uma garota de 13 anos, um casal de idosos e uma pessoa com cerca de 30 anos. Outras 57 pessoas ficaram feridas.

O governo do Rio anunciou que o serviço de bondes em Santa Teresa está suspenso até que sejam conhecidas as causas do acidente. O secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes, admitiu que o bondinho não havia passado por reforma.

Estado de saúde dos feridos

A Secretaria de Saúde e Defesa Civil do Rio de Janeiro informou hoje em nota oficial que dez vítimas do acidente com o bondinho de Santa Tereza estão internadas em dois hospitais da Prefeitura carioca. O caso mais grave, segundo o comunicado, é o de um menino de 3 anos, que está no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital Municipal Souza Aguiar.

No Souza Aguiar, estão dez pacientes. No Hospital Municipal Miguel Couto, outros dois. Todos eles foram submetidos a cirurgias e encontram-se em situação estável, conforme diz a nota.

Há ainda um número impreciso de feridos espalhados por hospitais e clínicas particulares do Rio. A Secretaria de Saúde informou não saber quantos são no total. No Miguel Couto, três das cinco vítimas hospitalizadas após o desastre foram transferidas para hospitais privados.O único ferido internado no Hospital Municipal Salgado Filho também foi transferido pela família.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Bonde Santa Tereza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.