Reprodução
Reprodução

Polícia confirma que corpo carbonizado é de PM desaparecido

O policial militar Neandro Santos de Oliveira estava desaparecido desde 12 de outubro, depois de parar em uma falsa blitz

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

20 Outubro 2015 | 17h54

Atualizada às 19h31

RIO - A Polícia Civil do Rio confirmou nesta terça-feira, 20, que um corpo carbonizado encontrado em 13 de outubro na Via Light, rodovia que liga o Rio a Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, é do policial militar Neandro Santos de Oliveira, desaparecido desde 12 de outubro.

Por volta das 23h30 daquela segunda-feira, 12, Oliveira, que trabalhava no 31º Batalhão (Recreio dos Bandeirantes), na zona oeste, seguia em seu carro para a casa da mãe, na Baixada Fluminense, quando se deparou com uma falsa blitz, promovida por criminosos na Rua Alcobaça, em frente à favela Final Feliz, que integra o complexo de favelas do Chapadão, em Costa Barros (zona norte do Rio).

Segundo a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, que investiga o caso, o policial passava pela blitz quando foi reconhecido como PM por sua escala de trabalho, que estava no banco do veículo. Ele teria tentado fugir, trocou tiros com os bandidos e acabou batendo o carro em uma árvore. Depois sumiu. Seu carro, com documentos e manchas de sangue, foi encontrado horas depois, dentro da favela Final Feliz.

No dia seguinte, o corpo carbonizado foi encontrado dentro de um Prisma, também incendiado, e peritos fizeram exames para identificar o cadáver. O reconhecimento foi feito a partir da arcada dentária de Oliveira, que era casado e deixou a mulher grávida. 

O policial será sepultado às 11 horas desta quarta-feira, 21, no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap (zona oeste do Rio).

Prisões. Seis adultos e dois adolescentes acusados de integrar uma quadrilha de tráfico de drogas no complexo do Chapadão foram detidos nesta terça. Eles são suspeitos de participar da falsa blitz que resultou na morte do policial militar. Um dos detidos narrou detalhes sobre a abordagem a Oliveira e a troca de tiros com ele.

Mais conteúdo sobre:
Violência Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.