Polícia descobre fortaleza em operação no Morro da Mangueira

280 policiais bloqueiam acesso à favela e capturam oito pessoas; traficantes se vingam ateando fogo em ônibus

Pedro Dantas e Felipe Werneck, de O Estado de S. Paulo,

08 de janeiro de 2008 | 08h37

Uma fortaleza com um muro de cerca de três metros de altura e um palmo de profundidade, com oito buracos de onde traficantes podiam ter uma visão da entrada da favela da Mangueira, foi descoberta nesta terça-feira, 8, por policiais que participam de uma operação organizada pela Polícia Civil e que teve início por volta das cinco horas da manhã.   Por volta das 12 horas, policiais civis desceram da favela com cerca de uma tonelada de maconha apreendida. Pelo menos sete pessoas foram detidas e um acusado foi baleado em um suposto confronto com policiais. Segundo a polícia, até o momento foram apreendidos um fuzil, três pistolas e uma granada.   Cerca de 280 policiais participam da operação com o auxílio de dois helicópteros. Apenas dois dos oito mandados de prisão expedidos pela Justiça contra acusados de tráfico foram cumpridos até o início da tarde desta terça.   A fortaleza fica na localidade conhecida como "Elvis", no alto do morro. "Daqui eles (os traficantes) ficavam em uma posição muito privilegiada. A polícia sabia da existência do bunker e estava preparada. Vamos derrubar e deixá-los mais vulneráveis", disse o delegado Marcio Caldas, titular da 17.ª DP (São Cristóvão) responsável pela investigação iniciada há seis meses.   Um dos oito acusados com mandado de prisão expedido é o compositor Francisco Paulo Monteiro, o "Tuchinha", que, segundo a polícia, continuava envolvido com o tráfico. Ele não foi localizado até o momento.   Além da fortaleza, a polícia encontrou na localidade conhecida como "Vila Miséria" um aparelho que parece ser um microondas onde, segundo o delegado, havia partes de um corpo carbonizado. A perícia foi chamada para confirmar a informação.   Vingança   Em represália à operação no morro da Mangueira, cerca de dez traficantes incendiaram um ônibus na rua Luis Gonzaga em São Cristóvão, zona norte do Rio. De acordo com testemunhas os criminosos, que estavam armados com fuzis, pararam o veículo e ordenaram que os passageiros descessem. Em seguida, os bandidos atravessaram o coletivo no meio da pista e atearam fogo no ônibus. Uma guarnição do Corpo de Bombeiros foi chamada para controlar o incêndio. O comércio fechou as portas e o clima é de grande tensão no local.                                                       Matéria ampliada às 12h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.